Quadrilátero Ferrífero

Recebe o nome de Quadrilátero Ferrífero uma importante província mineral localizada no sudeste do Brasil, mais precisamente na região centro-sul do estado de Minas Gerais. Sua extensão é de aproximadamente 7000 km², uma área um pouco maior que a do Distrito Federal, e representa também o limite ocidental da Mata Atlântica no centro de Minas Gerais, abrigando ainda a capital do estado, Belo Horizonte, em sua parte norte.

O quadrilátero ferrífero constitui o marco principal da interiorização da ocupação portuguesa no século XVIII, e hoje em dia, num estado onde a exploração de minérios é uma das principais atividades econômicas, a área do quadrilátero assume uma importância nacional, sendo considerada a mais importante província mineral do país. As estimativas do início do século apontam que dali se extraía cerca de 55 milhões de toneladas de minério de ferro por ano.

Acredita-se que seu nome, adotado no final dos anos 50, seja autoria do geólogo Gonzaga de Campos, que se baseou nos vastos depósitos de minério de ferro que ocorrem numa área limitada aproximadamente pelas linhas que ligam Itabira, Rio Piracicaba, Mariana, Congonhas do Campo, Casa Branca e Itaúna.

Com relação ao aspecto geológico, o quadrilátero representa uma importante área do Pré-Cambriano brasileiro, (sendo aliás, uma das áreas clássicas da geologia pré-cambriana do mundo inteiro) por causa de suas riquezas minerais, destacando-se o ouro, o ferro e o manganês. Sua diversidade em minérios e tipos litológicos é conhecida mundialmente, registrando um longo e importante período na história da Terra. Já sob o aspecto da geomorfologia, o quadrilátero apresenta grande diversidade de relevo e altitudes máximas que atingem cerca de 2000 m. Em seu território estão ainda as cabeceiras de duas das principais bacias brasileiras, a do rio das Velhas e a do doce, que abrigam enorme quantidade de biomas, resquícios de Mata Atlântica, trechos de cerrado, campos rupestres.

A região é também sede de diversas áreas de proteção ambiental e de diversas categorias de unidades de conservação, destacando-se a Área de Proteção Ambiental das Andorinhas, o Parque Estadual do Itacolomi, a Floresta do Uaimii, o Parque Estadual do Rola-Moça e a Estação Ecológica do Tripuí.

Ao mesmo tempo, o quadrilátero ferrífero é a parte do estado de Minas Gerais que possui a maior concentração urbana, abrigando ainda as primeiras vilas coloniais afastadas do litoral, resultado da descoberta de ouro no local. Muitas destas cidades guardam até hoje exemplos ímpares de arte e arquitetura colonial, com destaque para a cidade de Ouro Preto, detentora do título de patrimônio cultural da humanidade concedido pela Unesco.

Bibliografia:
Estudos Geoambientais. Disponível em: < http://www.qfe2050.ufop.br/?pg=pa_estudos_geoambientais >. Acesso em: 15 dez. 2012.
O que é. Disponível em: < http://www.qfe2050.ufop.br/?pg=o_que_e >. Acesso em: 15 dez. 2012.

Arquivado em: Minas Gerais