Orações coordenadas

Mestra em Letras e Linguística (UFG, 2016)
Licenciada em Letras-Português (UFG, 2009)

Ouça este artigo:

As Orações Coordenadas são aquelas que participam de um mesmo período mas que não estabelecem entre si uma relação de dependência sintática. Cada oração é independente uma da outra, já que sua estrutura é formada pelos termos essenciais das orações, que são sujeito e predicado ou apenas predicado. Isto significa que, separadas, é possível compreender perfeitamente seu sentido, independente da oração que esteja próxima.

Embora sejam orações sintaticamente independentes, elas podem complementar os sentidos umas das outras, mantendo uma relação de coordenação, a qual pode ser mediada por conjunção coordenativa ou por vírgula. Veja os exemplos:

(1) Penteio meu cabelo, escovo os dentes, apago a luz, deito, durmo.

São cinco orações independentes, cada uma com seu predicado e retomando o sujeito (penteio = eu). Observe que as orações são encadeadas por vírgulas.

(2) Vou trancar as portas e apagar as luzes.

São duas orações independentes e encadeadas por uma conjunção coordenada aditiva “e”.

Classificação das Orações Coordenadas

As Orações Coordenadas são classificadas em Assindéticas e Sindéticas. Estes termos derivam do grego syndeton, que significa “ligado, unido a”.

Orações Coordenadas Assindéticas

As orações coordenadas assindéticas são aquelas que NÃO são articuladas a outras orações por meio de conectivos, mas sim, por Vírgulas. O prefixo -a, de origem grega, sinaliza a negação, a privação de presença de um síndeto, ou seja uma conjunção coordenativa.

Exemplos:

  • Saí cedo de casa, peguei um táxi, fui ao shopping, voltei tarde.
  • Cheguei na escola, fui direto à sala da diretora.
  • Faço um bolo, uns doces, uns salgadinhos.

Orações Coordenadas Sindéticas

As orações coordenadas sindéticas são as orações coordenadas que são articuladas a outras por meio de conjunções coordenativas.

Exemplos:

  • Amo sorvete, mas estou de dieta.
  • Gustavo vai sofrer muito, pois sua mãe é inconsequente.
  • Está chovendo muito aqui, logo, vamos voltar para casa.

Embora possuam sentido completo se analisadas individualmente, observe que as conjunções “mas”, “pois” e “logo” ligam as orações, as quais se complementam semanticamente.

Classificação das Orações Coordenadas Sindéticas

As orações coordenadas sindéticas podem ser: aditivas, adversativas, alternativas, explicativas e conclusivas. Vejamos a seguir cada uma delas:

Orações Coordenadas Sindéticas Aditivas

As orações coordenadas sindéticas aditivas são orações encadeadas por conjunções coordenativas aditivas estabelecendo entre si uma ideia de soma, de adição, de acréscimo de fatos e informações. Normalmente, elas são utilizadas para dar maior ênfase ao conteúdo da oração seguinte.

Exemplos:

  • Quero comer carne e feijão com arroz.
  • Ele não apenas cantou, mas também dançou.
  • O menino não gosta de moto nem bicicleta.

Veja uma tabelinha com algumas conjunções coordenativas aditivas:

e não só
também não só... como também
não só... bem como nem
como também bem como
tanto... como assim como

Orações Coordenadas Sindéticas Adversativas

As orações coordenadas sindéticas adversativas estabelecem uma relação de contraste, de oposição, de quebra de expectativa entre si por meio de uma conjunção coordenativa adversativa antecedida por vírgula.

Na fala ou escrita coloquiais, a conjunção coordenativa adversativa utilizada com maior frequência pelos usuários da Língua é “mas”. Repare que há diferenças gráficas e semânticas entre esta Conjunção “mas” e o Advérbio de intensidade “mais”. Veja os exemplos abaixo:

  • João gosta de Ana, mas ela gosta de Paulo.
  • Ana gosta mais de Paulo que de João.

Agora, leia outros exemplos de períodos compostos por orações coordenadas sindéticas adversativas:

  • Eles gostaram muito da festa, mas prefeririam ter ficado em casa.
  • A garota queria estudar, embora não tivesse incentivo.
  • O meu time ganhou o jogo, todavia, fomos desclassificados.
  • O menino não gostava de estudar, ainda assim seu pai o obrigava.
  • Maria não queria trabalhar, porém teve que ir.

Veja uma tabelinha com algumas conjunções coordenativas adversativas:

Mas Contudo
Todavia Não obstante
Antes que Porém
Entretanto No entanto
Conquanto Ainda assim

Orações Coordenadas Sindéticas Alternativas

As orações coordenadas sindéticas alternativas estabelecem entre si uma ideia de alternância, de escolha, cujo conteúdo de uma exclui o conteúdo da outra.

A vírgula opcional quando houve somente uma oração coordenada alternativa. Caso haja mais de uma oração coordenada alternativa, o uso da vírgula é obrigatório.

Exemplos:

  • Ou você gosta, ou não gosta.
  • Ora você quer dormir, ora quer brincar.
  • Você não vai ficar nem com um, nem com outro.
  • Quer você queira, quer não, vai haver votação.

Veja uma tabelinha com algumas conjunções coordenativas alternativas:

ou ora
já... já nem... nem
Não... nem ou... ou
quer... quer seja... seja
Talvez...talvez Ora... ora

Orações Coordenadas sindéticas Explicativas

As orações coordenadas sindéticas explicativas fornecem uma explicação a um conteúdo informado na oração anterior. A vírgula deve ser utilizada antes da conjunção coordenativa explicativa.

Exemplos:

  • Leve uma jaqueta, pois vai esfriar.
  • A professora saiu mais cedo da aula, porque tinha consulta marcada.
  • São quatro as estações do ano, a saber: primavera, verão, outono e inverno.

Veja uma tabelinha com algumas conjunções explicativas:

pois que
na verdade ou seja
porque porquanto
isto é a saber

Orações Coordenadas Sindéticas Conclusivas

As orações coordenadas sindéticas conclusivas estabelecem entre si uma relação de conclusão ou consequência por meio de uma conjunção coordenativa conclusiva. É obrigatório o uso de vírgulas entre uma oração e outra.

Exemplos:

  • Erick recebeu o pagamento, então foi ao supermercado.
  • Ela foi a pé, por isso está tão cansada.
  • O vendedor fez ótimas vendas, portanto ganhou um aumento.
  • Os alunos não voltaram para a sala, por conseguinte, levaram advertência.

Veja uma tabelinha com algumas conjunções coordenativas conclusivas:

Então Portanto
Assim Por conseguinte
De modo que Por isso
Logo Por consequência
Consequentemente Desse modo

Referência:

ABURRE, Maria Luiza M. Gramática: texto: análise e construção de sentido. Volume único. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2010. p. 422 a 428.

Arquivado em: Português