Miopia

Mestre em Ciências Biológicas (Universidade de Aveiro-SP, 2013)
Graduada em Biologia (Universidade Santa Cecília-SP, 2003)

A miopia é uma deficiência visual preponderante e com maior crescimento mundial na população humana. É um erro de refração no qual os raios luminosos convergem em um ponto antes da retina, causada pelo anormal alongamento axial do globo ocular, e está associado a uma córnea com curvatura exagerada e mais plana, ou quando o cristalino tem espessura e curvatura alterados. Isso faz com que os objetos distantes não possam ser focalizados na zona retiniana. Uma pessoa acometida por essa doença é chamada de míope.

A esclera é um tecido conjuntivo fibroso que constitui o revestimento externo do olho. O volume dos componentes na matriz escleral é essencial para manter a estrutura escleral e, assim, a forma ocular. O remodelamento estrutural na esclera posterior – tecido mais fino, fraco e extensível – acompanha o aumento anormal do tamanho do olho (alongamento ocular excessivo), que caracteriza o desenvolvimento da miopia.

Ilustração mostra como a imagem de um objeto se forma na retina de um olho com miopia e como o problema é corrigido com uso de lentes. Ilustração: Neokryuger / Shutterstock.com

Esse defeito de visão surge comumente na infância, com uma maior incidência entre os 13 a 15 anos, e tem a tendência a ser progressivo, o grau de miopia aumenta com o tempo. Pode provocar uma perda da visão, desprendimento da retina, neovascularização coroidal, glaucoma, catarata e atrofia macular. Em casos mais severos, pode causar uma situação de cegueira.

Fatores de risco

Diversas causas têm sido associadas ao aparecimento e/ou desenvolvimento da miopia, desde causas ambientais, comportamentais e genéticas. A exposição prolongada à iluminação inadequada, à tela de dispositivos eletrônicos e à leitura.

Crianças que dormem com luz acesa e menos horas de sono podem ter maiores chances de desenvolver a doença. Na miopia parental, quando ambos são míopes há maior probabilidade de os filhos apresentar miopia. Estudos revelam que exposição ao ar livre de crianças não míopes pode ajudar a prevenir o aparecimento do problema. Isso acontece porque a radiação ultravioleta induz a constrição da pupila e o aumento da profundidade do foco, causando um abrandamento do alongamento axial.

Tratamento

O tratamento da miopia é feito para retardar ou prevenir a progressão da doença, ou corrigir o problema. Pode ser realizado através de técnica cirúrgica, geralmente realizada na córnea. São extraídas áreas particulares e de espessura predeterminada da córnea, através da remoção do tecido com Excimer Laser. Existe também a técnica de ceratectomia fotorrefrativa, onde a superfície corneada é remodelada. A retina periférica, assim como a retina central, desempenha um papel importante na regulação do crescimento ocular, o alongamento axial diminui e o grau de miopia determinada diminui.

A correção do problema pode ser feita também através de lente divergente ou negativa, que diverge os raios de luz vindos do objeto, de maneira que, ao incidir sobre o cristalino, se distanciem um dos outros, a fim de formar um feixe divergente para que sejam focalizados na retina. Para isso, existem dois instrumentos: os óculos e as lentes de contato. Óculos são lentes oftálmicas que são colocadas em frente aos olhos, que faz as imagens ficarem nítidas, bem como suas formas. Podem retardar o alongamento axial.

Referências:

ANDRADE, B. B. A. Desempenho visual na correção de miopia com óculos e lentes de contato gelatinosas. Trabalho de conclusão de curso (Doutorado) – Universidade de São Paulo, 2004

LIPENER, C.; RAY, C. B. M. Sistemas atuais de cuidados e manutenção de lentes de contato. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, 2008.

LOUREIRO, V. M. Alimentação e miopia. Trabalho de conclusão de curso (Doutorado) – Universidade do Minho, Portugal, 2015.

OHNO-MATSUI, Kyoko et al. Diagnosis and treatment guideline for myopic choroidal neovascularization due to pathologic myopia. Progress in retinal and eye research, 2017.

VALENÇA, A. R. P. Relatório de atividade profissional. 2017. Trabalho de conclusão de curso (Mestrado) – Universidade do Minho, Portugal, 2017.

SRINIVASALU, N. et al. Gene Expression and Pathways Underlying Form Deprivation Myopia in the Guinea Pig Sclera. Investigative ophthalmology & visual science, v. 59, n. 3, p. 1425-1434, 2018.

Arquivado em: Visão