Anéis planetários

Mestre em Astronomia (Observatório Nacional, 2016)
Graduado em Física (UFRPE, 2014)

O Sistema Solar possui oito planetas, sendo os quatro mais próximos do Sol chamados de rochosos, e os quatro mais distantes chamados de gasosos. Todos os gasosos (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno) possuem um complexo sistema de anéis que consiste em bilhões de pequenas partículas orbitando o planeta em forma de disco. Cada planeta possui um sistema de anéis diferente que depende da interação das partículas que o compõem com as luas que orbitam o planeta e se diferem na massa, no tamanho, na estrutura e na composição.

Diferentemente dos outros planetas, Júpiter possui apenas um anel. Não se sabia de sua existência até a sonda Voyager, em 1979, sobrevoar o planeta e detecta-lo. O anel possui uma estrutura complexa que consiste em quatro componentes principais: um anel externo que se torna invisível após a órbita da lua Thebe, um anel interno delimitado pela órbita de Amalthea, um anel principal com espessura de apenas 30 km e um halo com espessura de 20 mil km. Júpiter foi o último planeta a ser detectada a presença de um anel, e os dados obtidos até agora não foram suficientes para que cientistas possam identificar sua composição. A distância do último componente do anel até Júpiter é de 222 mil km.

Os anéis de Saturno, descobertos em 1616 por Galileu Galilei, é o sistema de anéis mais famoso do Sistema Solar por serem facilmente vistos da Terra com o uso de telescópio. Eles são compostos de partículas de gelo e rocha revestidas com outros materiais como poeira. O tamanho das partículas varia entre pequenos grãos até proporções de uma casa, porém algumas dessas partículas chegam a ter o tamanho de uma montanha. O sistema é composto de seis anéis nomeados de A a F, sendo os anéis A, B e C os principais e os outros mais fracos, descobertos recentemente. A ordem dos anéis, de dentro para fora é D, C, B, Divisão de Cassini, A, F, G e, finalmente, E. A famosa divisão de Cassini é uma lacuna de quase cinco quilômetros que separa os anéis A e B. No total, os anéis somam uma distância de 282 mil km de Saturno.

Os famosos anéis de Saturno. Foto: NASA/JPL

Urano possui um sistema de treze anéis praticamente transparentes. Os primeiros anéis foram descobertos em 1977 por James L. Elliot e, mais para frente, a sonda Voyager 2 e o telescópio Hubble descobriram os outros anéis no sistema. A sonda descobriu que existem tanto partículas grandes (maiores que 140 cm) quanto partículas microscópicas de poeira que compõem os anéis. Acredita-se que os anéis uranianos são relativamente novos, sendo formados após a formação do sistema solar. A distância do último anel até o centro de Urano é de 98 mil km.

Netuno possui um sistema de cinco anéis constituídos por compostos orgânicos (produzidos pela radiação da magnetosfera netuniana) e poeira. O anel mais externo, chamado Adams, se distancia 64 mil km de Netuno e, nele está localizada a órbita da lua Galateia, que interage gravitacionalmente com o anel. Assim como os anéis de Urano, os de Netuno também são relativamente novos.

Primeira fotografia a mostrar detalhadamente os anéis de Netuno, tirada pela sonda Voyager 2 e publicada em agosto de 1999. Estão em evidência os dois principais anéis do sistema. Fonte: NASA/ JPL

A origem dos anéis ainda é incerta, no entanto existem duas principais hipóteses que explicam formação anelar. A primeira hipótese é a de ruptura que sugere que os anéis são restos de luas que se despedaçaram ao serem colididas por cometas ou asteroides. Por ação das forças de maré, esses pedaços passam a se dispersar em um disco. A segunda hipótese sugere que os anéis são feitos de partículas que não conseguiram se unir para formar uma lua. Como os anéis de Urano e Netuno são relativamente novos, ou seja, formados após o Sistema Solar se formar, acredita-se que eles tenham sido formados através da ruptura de luas.

Referências:

https://courses.lumenlearning.com/astronomy/chapter/planetary-rings/ | Acessado em 03 de janeiro de 2020

https://solarsystem.nasa.gov/planets/saturn/in-depth/| Acessado em 03 de janeiro de 2020

https://www.britannica.com/place/Uranus-planet/The-ring-system | Acessado em 03 de janeiro de 2020

https://solarsystem.nasa.gov/resources/249/neptunes-rings/ | Acessado em 03 de janeiro de 2020

https://pt.wikipedia.org/wiki/An%C3%A9is_de_Netuno#Lista_de_an%C3%A9is_e_arcos_mais_importantes | Acessado em 03 de janeiro de 2020

Arquivado em: Astronomia