Movimento de translação

Especialista em Geografia do Brasil (Faculdades Integradas de Jacarepaguá, RJ)
Mestre em Educação (Estácio de Sá, 2016)
Graduado em Geografia (Simonsen, 2010)

O movimento de translação é o movimento da Terra ao redor do Sol. O movimento da terra em torno do Sol não é o responsável por formar os dias e as noites (como acreditava-se que era o movimento do Sol ao redor da Terra) sendo o movimento da Terra em torno de si mesma e de seu eixo imaginário o verdadeiro responsável (movimento de rotação). Entre os grandes nomes que nos ajudaram a entender o movimento de translação estão: Aristarco de Samos, Copérnico e Galileu.

A duração do movimento de translação é um ano, mais precisamente de 355 dias e 6 horas. Para facilitar a organização do calendário, consideramos como se a duração do mesmo fosse os 365 dias do ano e a cada 4 anos (6 x 4 = 24 horas, a duração de um dia) acrescentamos um dia (29 de fevereiro) ao calendário, visando corrigir qualquer distorção que seria causada por não contabilizarmos as 6 horas anuais a mais. O ano em que fevereiro possui um dia a mais é chamado de bissexto.

Os efeitos do movimento de translação

O movimento de translação é o responsável por formar as estações do ano: Inverno, Primavera, Verão e Outono. Cada uma dessas estações será percebida de uma forma diferente de acordo com a latitude em que se está.

Nas latitudes mais baixas e mais altas (regiões tropicais e regiões polares) fica mais difícil para perceber a diferenciação das quatro estações, especialmente a primavera que parece se tornar uma coisa só com o verão e o outono que parece se tornar uma coisa só com o inverno.

Apenas nas latitudes medianas (regiões temperadas) é que conseguimos perceber as quatros estações muito bem demarcadas com mais clareza. Aliás, geralmente imaginamos cada estação como retratada nos filmes dos países temperados: Verão com sol e calor, Outono com as folhas caindo, Inverno com neve, Primavera com o gelo derretendo e as flores surgindo.

O movimento de translação, combinado com o eixo inclinado da Terra, influencia também na duração dos dias e das noites. Sendo os dias mais longos no verão e as noites mais longas no inverno, dada a maior proximidade do Sol no verão e consequentemente a maior distância daquela parte da Terra que está no inverno. A primavera e o outono funcionam como estações de transição entre o verão e o inverno.

O verão se inicia no solstício de verão (aproximadamente no dia 21 de junho norte e 21 de dezembro sul), quando os raios solares começam a atingir de forma mais direta (perpendicular) aquele hemisfério, enquanto que o inverno no hemisfério oposto começa com o solstício de inverno (aproximadamente no dia 21 de junho sul e 21 de dezembro norte) marcando um período em que os raios solares incidem de forma menos direta sobre aquele hemisfério. O outono e a primavera se iniciam em períodos conhecidos como equinócios (aproximadamente nos dias 21 de março e 21 de setembro), nos quais os dias e as noites possuem durações iguais pois o sol incide mais diretamente sobre a linha do equador e não sobre um hemisfério em específico.

Referências:

http://www-history.mcs.st-and.ac.uk/Biographies/Aristarchus.html

Fernando dos Santos Sampaio – Geografia 6º ano (Coleção Viver Juntos, editora SM).

Arquivado em: Astronomia