Movimento de translação

Especialista em Geografia do Brasil (Faculdades Integradas de Jacarepaguá, RJ)
Mestre em Educação (Estácio de Sá, 2016)
Graduado em Geografia (Simonsen, 2010)

Este artigo foi útil?
Considere fazer uma contribuição:


O movimento de translação é o movimento da Terra ao redor do Sol. O movimento da terra em torno do Sol não é o responsável por formar os dias e as noites (como acreditava-se que era o movimento do Sol ao redor da Terra) sendo o movimento da Terra em torno de si mesma e de seu eixo imaginário o verdadeiro responsável (movimento de rotação). Entre os grandes nomes que nos ajudaram a entender o movimento de translação estão: Aristarco de Samos, Copérnico e Galileu.

A duração do movimento de translação é um ano, mais precisamente de 355 dias e 6 horas. Para facilitar a organização do calendário, consideramos como se a duração do mesmo fosse os 365 dias do ano e a cada 4 anos (6 x 4 = 24 horas, a duração de um dia) acrescentamos um dia (29 de fevereiro) ao calendário, visando corrigir qualquer distorção que seria causada por não contabilizarmos as 6 horas anuais a mais. O ano em que fevereiro possui um dia a mais é chamado de bissexto.

Os efeitos do movimento de translação

O movimento de translação é o responsável por formar as estações do ano: Inverno, Primavera, Verão e Outono. Cada uma dessas estações será percebida de uma forma diferente de acordo com a latitude em que se está.

Nas latitudes mais baixas e mais altas (regiões tropicais e regiões polares) fica mais difícil para perceber a diferenciação das quatro estações, especialmente a primavera que parece se tornar uma coisa só com o verão e o outono que parece se tornar uma coisa só com o inverno.

Apenas nas latitudes medianas (regiões temperadas) é que conseguimos perceber as quatros estações muito bem demarcadas com mais clareza. Aliás, geralmente imaginamos cada estação como retratada nos filmes dos países temperados: Verão com sol e calor, Outono com as folhas caindo, Inverno com neve, Primavera com o gelo derretendo e as flores surgindo.

O movimento de translação, combinado com o eixo inclinado da Terra, influencia também na duração dos dias e das noites. Sendo os dias mais longos no verão e as noites mais longas no inverno, dada a maior proximidade do Sol no verão e consequentemente a maior distância daquela parte da Terra que está no inverno. A primavera e o outono funcionam como estações de transição entre o verão e o inverno.

O verão se inicia no solstício de verão (aproximadamente no dia 21 de junho norte e 21 de dezembro sul), quando os raios solares começam a atingir de forma mais direta (perpendicular) aquele hemisfério, enquanto que o inverno no hemisfério oposto começa com o solstício de inverno (aproximadamente no dia 21 de junho sul e 21 de dezembro norte) marcando um período em que os raios solares incidem de forma menos direta sobre aquele hemisfério. O outono e a primavera se iniciam em períodos conhecidos como equinócios (aproximadamente nos dias 21 de março e 21 de setembro), nos quais os dias e as noites possuem durações iguais pois o sol incide mais diretamente sobre a linha do equador e não sobre um hemisfério em específico.

Referências:

http://www-history.mcs.st-and.ac.uk/Biographies/Aristarchus.html

Fernando dos Santos Sampaio – Geografia 6º ano (Coleção Viver Juntos, editora SM).

Arquivado em: Astronomia