Flexões verbais

Mestra em Letras e Linguística (UFG, 2016)
Licenciada em Letras-Português (UFG, 2009)

Os verbos são palavras que indicam ações, estados e fenômenos da natureza. É uma classe de palavras que pode variar em número, pessoa, modo, tempo, voz e aspecto.

Essas variações são chamadas de flexões, termo associado ao caráter flexível das palavras cuja forma depende da relação que estabelece com outras palavras na cadeia discursiva. Observe um exemplo:

  • A moça falou com o namorado às 20h.

Na oração, a ação (verbo) realizada pela moça é “falou”. Entretanto, o nome original dessa ação, ou seja, a forma nominal (infinitivo) é “falar”. Perceba que o radical da palavra mantém-se o mesmo (fal-) mas a desinência foi alterada em razão da relação que o verbo estabelece com a pessoa do discurso (ela – a moça) e da marcação do tempo decorrido da ação (pretérito/passado).

Vejamos, então, cada uma das possibilidades de flexão verbal:

Conteúdo deste artigo

Número

A flexão de número consiste na marcação da forma singular, quando o verbo faz referência a apenas um ser, e na marcação da forma plural, quando o verbo faz referência a mais de um ser.

Exemplos:

  • Joana foi à praia. (singular – faz referência apenas a Joana)
  • Joana e Carlos foram à praia. (plural – faz referência a dois seres: Joana e Carlos)

Pessoa

A flexão de pessoa consiste na relação estabelecida entre o verbo e a pessoa do discurso. Em Língua Portuguesa, as pessoas do discurso são ordenadas em 1ª , 2ª e 3ª pessoas do singular e 1ª , 2ª e 3ª pessoas do plural. Veja:

Singular:

  • 1ª EU
  • 2ª TU / VOCÊ
  • 3ª ELE / ELA

Plural:

  • 1ª NÓS
  • 2ª VÓS / VOCÊS
  • 3ª ELES / ELAS

Observe as relações entre o verbo e a pessoa do discurso:

  • Eu comprei (falante) a cartolina que você me pediu  (ouvinte).

Perceba que no enunciado aparecem de maneira explícita duas pessoas do discurso: o falanteEu” (primeira pessoa do singular) e o ouvintevocê (segunda pessoa do singular). Assim, a desinência verbal é alterada porque concorda com a pessoa do falante no discurso (eu): comprei.

  • Ele (de quem se fala) saiu para trabalhar.

Note que o pronome “Ele” (terceira pessoa do singular) revela a pessoa de quem se fala.

  • Quero comprar travesseiros novos para vocês.

Nesse enunciado é possível observar que a pessoa gramatical do falante aparece de maneira implícita no Verbo “Quero” (eu - primeira pessoa do singular) e de quem se fala aparece de maneira explícita “vocês” (terceira pessoa do plural).

Observe em outra oração que a pessoa do discurso está diretamente relacionada ao sujeito, já que é possível identificá-lo pela desinência expressa pelo verbo:

  • Comprei (eu) uma bicicleta nova. (Quem comprou uma bicicleta nova?)

Quando perguntamos ao verbo sobre quem realiza a ação, sua desinência indica a primeira pessoa do discurso (Eu), o falante partícipe da ação (sujeito).

Modo

A flexão de modo consiste na indicação da atitude do falante com relação ao conteúdo do enunciado. As formas verbais podem ser manifestadas em três modos: Indicativo, Subjuntivo e Imperativo. Vejamos cada uma delas:

Indicativo

O modo Indicativo ocorre quando o conteúdo do enunciado é tomado como certo pelo falante. Esse modo expressa a certeza de que a ação ocorreu, ocorre ou ocorrerá, portanto, os verbos conjugados no modo Indicativo exprimem reais possibilidades de ocorrência da ação. Veja:

  • As crianças almoçam e jantam todos os dias. Por isso são saudáveis.

Subjuntivo

O modo Subjuntivo ocorre quando o conteúdo do enunciado é tomado como duvidoso pelo falante. Esse modo indica menos certezas de que a ação ocorresse ou ocorra, portanto, os verbos conjugados no modo Subjuntivo exprimem dúvidas acerca das possibilidades de ocorrência da ação. São suposições, hipóteses. Veja:

  • Espero que traga o material completo. Eu ficaria agradecida se conseguisse.

Imperativo

O modo Imperativo ocorre quando o conteúdo do enunciado expressa uma ordem, conselho, súplica, podendo ser afirmativo ou negativo. Por isso, esse modo não possui conjugação em primeira pessoa do singular, ou seja, para o sujeito “eu”, convencionalmente, há a substituição de “ele/ela”, “eles/elas” pelos pronomes de tratamento “você/vocês”. Veja:

  • Faça sua parte, não deixe água parada. Lute por sua saúde!

Tempo

A flexão de tempo está relacionada ao momento da enunciação. De maneira geral, as ações podem acontecer em três momentos distintos: Presente (momento em que se fala), Passado/Pretérito (anterior ao momento em que se fala) ou Futuro (posterior ao momento em que se fala).

Emprego e sentido dos diferentes tempos verbais do modo Indicativo

Como você já sabe, o modo Indicativo expressa a certeza de que a ação ocorreu, ocorre ou ocorrerá. Veja em quais contextos os diferentes tempos verbais do modo Indicativo são empregados:

  • Presente
  • Pretérito Perfeito
  • Pretérito Imperfeito
  • Pretérito-mais-que-perfeito
  • Futuro do presente
  • Futuro do Pretérito

Presente

O tempo presente corresponde ao momento do evento e o momento da enunciação (fala), também é utilizado para expressar uma ação habitual e para fazer afirmações.

Exemplo: Denise costura muito bem.

Pretérito Perfeito

O tempo pretérito perfeito corresponde ao evento já concluído.

Exemplo: Denise costurou muito bem.

Pretérito Imperfeito

O tempo pretérito imperfeito corresponde ao evento não concluído, que se prolonga por algum tempo no passado.

Exemplo: Denise costurava muito bem.

Pretérito-mais-que-perfeito

O tempo pretérito-mais-que-perfeito corresponde a um evento ocorrido no passado, anterior a outro evento também ocorrido no passado.

Exemplo: Denise costurara muito bem quando jovem.

Futuro do presente

O tempo futuro indica que o evento é posterior ao momento da enunciação (fala). O futuro do presente refere-se a um evento futuro com relação ao momento presente.

Exemplo: Denise costurará muito bem.

Futuro do Pretérito

O tempo futuro do pretérito indica que um evento futuro pode ou não ocorrer relacionado a um evento passado.

Exemplo: Você não gostaria de um pouco de feijão?

Emprego e sentido dos diferentes tempos verbais do modo Subjuntivo

Como você já sabe, o modo Subjuntivo ocorre quando o conteúdo do enunciado é tomado como duvidoso pelo falante, indicando menos certezas de que a ação ocorra. De maneira geral, os verbos flexionados no modo Subjuntivo exprimem uma vontade ou sentimento do sujeito e, por esse motivo, a marcação de tempo não é tão precisa quanto as formas do modo Indicativo. Os tempos do modo Subjuntivo são sempre empregados em orações subordinadas, as quais mantêm uma relação de dependência modo-temporal com a oração principal.

Veja em quais contextos os diferentes tempos verbais do modo Subjuntivo são empregados:

  • Presente
  • Pretérito Imperfeito
  • Futuro

Presente

O tempo presente do Subjuntivo é empregado em dois contextos:

  1. Associado ao tempo presente:

É uma honra para nós (Oração principal) que conheçam nossos produtos (Oração subordinada substantiva subjetiva).

  1. Associado ao tempo futuro:

Um dia, morarei à beira da praia, (Oração principal) mesmo que precise mudar alguns hábitos. (Oração subordinada adjetiva restritiva)

Pretérito Imperfeito

O tempo pretérito imperfeito do modo Subjuntivo poder ser associado a ações relacionadas a momentos do presente, do passado ou do futuro. Nesse caso, a noção de tempo é definida pela flexão verbal e pela possibilidade de realização da ação expressa pelo Subjuntivo em um momento determinado. O tempo pretérito imperfeito do Subjuntivo é empregado em três contextos:

1. Associado ao tempo presente:

Se os alunos tivessem estudado, (Oração subordinada adverbial condicional) tirariam boas notas nas provas. (Oração principal)

  1. Associado ao tempo passado:

Não havia um só livro de Machado de Assis (Oração principal) que ele não lesse. (Oração subordinada adjetiva restritiva)

3. Associado ao tempo futuro

Talvez os insumos pudessem ser reaproveitados (Oração principal) se não causassem alergia. (Oração subordinada adverbial condicional)

  • Pudessem ser: Locução verbal (sentido futuro)
  • Causassem: Tempo pretérito imperfeito do Subjuntivo

Futuro

O tempo futuro do modo Subjuntivo é empregado para indicar uma eventualidade, uma possibilidade de ocorrência da ação em momento futuro.

Quando não tiver mais, (Oração subordinada adverbial temporal) você terá saudade. ( Oração principal)

Emprego e sentido dos tempos verbais do modo Imperativo

Como você já sabe, o modo Imperativo ocorre quando o conteúdo do enunciado expressa uma ordem, conselho, súplica e pode assumir duas formas:

  1. Afirmativa
  2. Negativa

Exemplo:

  • Não fume aqui! (negativa)
  • Faça sua parte! (afirmativa)

Negativa afirmativa

Aprenda mais sobre os verbos da Língua Portuguesa estudando sobre as vozes do verbo e sobre os aspectos verbais.

Arquivado em: Português