Algas

Por Fabiana Santos Gonçalves
As algas são organismos fotossintetizantes. O termo alga não tem valor taxonômico. Apenas abriga um grupo de organismos que possuem clorofila a, não possuem um talo diferenciado em raiz, caule e folhas, possuem hábitos aquáticos e são eucariontes heterotróficos, autotróficos ou mixotróficos.

Podem ser encontradas nos mais diversos ambientes, existindo formas terrestres, aquáticas e algumas espécies se associam com fungos, formando os liquens. As algas planctônicas e as cianobactérias compõem o fitoplâncton. Ele é extremamente importante, pois é a base da cadeia alimentar, servindo de alimento para a maioria dos peixes e baleias. Como organismos do fitoplâncton marinho podemos citar as hapófitas, diatomáceas e os dinoflagelados, e de água doce podemos citar as crisófitas, diatomáceas, dinoflagelados e algas verdes. As algas também possuem formas bentônicas.

São organismos clorofilados, possuindo principalmente clorofila a, mas o fato de serem clorofiladas não as obriga serem verdes, pois possuem outros pigmentos que podem mascarar o verde da clorofila. Estes pigmentos podem conferir cores azuladas, pardas, avermelhadas e até negras.

Normalmente, num ecossistema equilibrado, o crescimento das algas é controlado pelas condições do ambiente, como temperatura, alimento disponível, etc. e quando há um desequilíbrio, normalmente provocado pelo homem através da poluição, as algas se multiplicam numa taxa maior, causando fenômenos como a maré vermelha, que é o acúmulo de toxinas provocadas pela alga, podendo causar vários prejuízos ambientais e financeiros.

O fitoplâncton é muito importante no Ciclo do Carbono na atmosfera, pois utiliza o CO2 presente no ar para a produção de seu alimento (fotossíntese), contribuindo assim para a diminuição desse gás na atmosfera e consequentemente, diminuição do efeito estufa.

Organização vegetativa

As algas apresentam uma grande diversidade de formas, estando a maior parte no mar. O corpo das algas é chamado de talo.

Podemos encontrar formas unicelulares, coloniais, pluricelulares e cenocíticas.

Dentre os unicelulares encontramos organismos flagelados como as algas verdes e dinoflagelados, e organismos aflagelados como as diatomáceas.

Nas formas coloniais as células estão unidas fisicamente por mucilagens e não apresentam uniões citoplasmáticas. Podemos encontrar formas coloniais bentônicas e planctônicas. As colônias podem não ter uma organização definida entre as células, formando uma colônia amorfa, ou apresentarem uma organização bem definida, complexa, com forma e número de células definidos.

As formas pluricelulares normalmente são filamentosas, podendo haver formas parenquimatosas. O talo filamentoso pode ser ramificado ou não-ramificado, apresentando uma grande diversidade de formas. Quando as divisões celulares ocorrem em apenas um plano o filamento é dito não-ramificado. Quando as divisões ocorrem em mais de um plano, ele é dito ramificado, variando de formas simples com apenas umas série de células (unisseriadas) a formas mais complexas, plurisseriadas, podendo formar um talo crostoso e até um talo pseudoparenquimatoso.

Quando as divisões celulares ocorrem em vários planos, bi ou tridimensional, um tecido parenquimatoso é formado.

Podemos encontrar também formas cenocíticas, que são filamentos tubulares não divididos em células.