Deserto do Saara

Mestre em Ecologia (UERJ, 2016)
Graduada em Ciências Biológicas (UFF, 2013)

O deserto do Saara é o segundo maior deserto do mundo, perdendo apenas para o deserto frio da Antártica, e o maior deserto quente do planeta. O deserto do Saara está localizado no continente africano e o divide em duas partes: a África Subsariana e o Norte da África. O deserto tem aproximadamente 9.400.000 km² de território e abrange parte dos países: Argélia, Chade, Egito, Líbia, Mali, Mauritânia, Marrocos, Níger, Sudão e Tunísia. Na fronteira entre o deserto do Saara, ao norte, e o Sudão, ao sul, existe uma faixa semiárida de savana, de 500 a 700 km de largura e 5,4 mil km de extensão, em média, que é chamada de Sahel. O deserto do Saara expandiu e contraiu suas fronteiras devido a regimes climáticos variáveis ao longo do tempo e suas paisagens se modificaram em função destas mudanças climáticas e da atividade humana no local.

Localização do Deserto do Saara. Ilustração: AridOcean / Shutterstock.com [adaptado]

A parte mais interior do deserto do Saara possui um contingente humano que ocupa sua área há muitos séculos, sendo povos que hoje são em sua maioria nômades. Ao contrário do que muitos pensam, nem sempre o deserto do Saara foi uma região dominada pelo clima árido. Por volta de oito mil anos atrás, um período de chuvas se estabeleceu no norte da África, fazendo com que as populações humanas se dispersassem por quase todo o Saara. Neste período, corpos hídricos permanentes alimentados por estas chuvas surgiram pelo território do deserto. As populações humanas que ali residiam assentaram-se em acampamentos ou em pequenas aldeias, próximas às margens desses lagos e rios, pescando, caçando hipopótamos, crocodilos, antílopes, girafas, elefantes e muitos outros animais típicos de savana. As savanas, pradarias e alguns bosques compunham a paisagem do Saara, principalmente ao norte, neste período que também é conhecido como Saara verde.

Por volta de quatro a cinco mil anos atrás, devido ao intenso albedo da região e a mudança do clima com um período seco que durou aproximadamente 1.000 anos, os efeitos da dessecação do Saara começaram a se intensificarem e isto fez com que muitas das populações humanas abandonassem a região do Saara. Atualmente, dentro do Saara existem alguns poucos e espalhados oásis que apareceram devido a aquíferos subterrâneos dentre os quais estão os de Ghardaia, Timimoun, Bahariya, Siwa e Kufra. O rio Nilo é o mais importante da região. No leito dos rios podem-se encontrar alguns arbustos isolados como tamaris, acácias e a palmeira tamareira (introduzida pelos árabes). Os animais que habitam a região são em sua maioria escorpiões e insetos, lagartos, cobras e outros. O dromedário é um dos principais animais do deserto e é o principal meio de locomoção das populações nômades que habitam o Saara. Outros animais característicos são o Addax (antílope), a gazela Dorcada (Cazella dorcas) e a raposa-do-deserto (conhecido como Feneco, Vulpes zerda).

Pôr-do-sol no Deserto do Saara, na Tunísia. Foto: Photoman29 / Shutterstock.com

Um fenômeno raro para a região, mas que já foi registrado por duas vezes no Saara na parte do território da Argélia, é a ocorrência de neve, quando a temperatura do deserto pode chegar a ficar abaixo de 0° C. A primeira vez em que aconteceu este fenômeno na região foi em 1979 no sul da Argélia e a segunda vez, mais recente, ocorreu em 2016, na região de Ain Sefra, também na Argélia.

Referências Bibliográficas:

BUMBEERS, Fernando. O deserto do Saara já abrigou o maior lago de água doce do mundo. < http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2015/07/o-deserto-do-saara-ja-abrigou-o-maior-lago-de-agua-doce-do-mundo.html>

DIÁRIO DE PERNAMBUCO. Deserto do Saara registra neve após 37 anos. <http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/mundo/2016/12/20/interna_mundo,680936/deserto-do-saara-registra-neve-apos-37-anos.shtml>

MÁRQUEZ, William. Como era o Saara antes de se tornar o maior deserto do planeta. <http://www.bbc.com/portuguese/geral-39374825>

Portal do Sahara: Fauna e Flora. <http://www.sahara-online.net/Saara-Ocidental/Fauna-e-flora-1227.aspx>

HARLAN, Jack R. Indigenous African Agriculture. In: The Origins of Agriculture. An International Perspective. C. Wesley Cowan, Patty J. Watson (Eds.). Washington D.C., Smithsonian Institution Press, 1992: 59-70 p. Tradução e síntese de Jairo Henrique Rogge.

Arquivado em: Biomas, Geografia