Vegetação da Europa

Mestrado em Geografia (UFSC, 2015)
Graduação em Geografia (UFSC, 2012)

O clima é o principal fator de determinação da vegetação. Por ser um dos menores continentes do mundo, a Europa não possui uma grande diversidade climática. Devido ao seu afastamento da linha do Equador, não possui climas tropicais, apresentando principalmente climas mesotérmicos (subtropicais), microtérmicos (temperados e subpolares) e frios (polar e de montanha).

As vegetações de climas mesotérmicos ocupam grande parte do sul e centro da Europa, com alguns enclaves de tundra alpina no alto dos Alpes e Pirineus. A vegetação de complexos arbustivos mediterrâneos é encontrada em quase todo o litoral sul da Europa, salvo o litoral do mar Adriático. Os arbustos baixos de folhas duras, ramos irregulares e raízes profundas, adaptados à seca do verão e aos incêndios naturais, dominam essa vegetação. Sobreiros, pinheiros e oliveiras são observados e, em conjunto com gramíneas, formam pequenos bosques. A vegetação que domina o centro da Europa, exceto a faixa que vai do norte da Itália até os países bálticos e o norte da Europa ocidental, é a floresta de latitude média ombrófila e mista. Caracteriza-se ao sul por árvores latifoliadas, com folhas largas, e caducifólias, que perdem suas folhas no inverno. Ao norte, encontramos mais comumente as árvores aciculifoliadas, com folhas em forma de agulha, e perenes. O dossel ao sul apresenta uma estratificação em cinco níveis: arbóreo, árvores pequenas, arbustivo, gramíneas e líquens. Mais ao norte, existe pouca variedade de espécies, aparecendo cada vez mais pinheiros de grande porte.

As vegetações de climas microtérmicos aparecem em uma faixa que vai do norte da Itália até os países bálticos e centro da Rússia, além da Escandinávia, parte norte da Escócia, um enclave no litoral oeste e centro dos Bálcãs, além de áreas mais altas. A vegetação de floresta de coníferas e de montanha ocupa grande parte desses lugares, salvo o centro da Escandinávia, extremo norte da Rússia e Islândia. Apresenta pinheiros de grande porte, até 90 metros, com pouca variedade de espécies. A forma de cone evita o acúmulo de neve nos meses mais frios. São normalmente perenifólios, que nunca perdem as folhas, para poderem fazer fotossíntese na primeira aparição da luz solar, e com folhas aciculifoliadas, em forma de agulha.

As pradarias aparecem em conjunto com um clima seco e representam a única forma de vegetação que acompanha esse tipo de clima na Europa, ocupando o sul da Ucrânia e toda a Hungria. Gramíneas altas dominam essa formação. Apesar disso, árvores latifoliadas podem ser encontradas ao longo de cursos d’água. As gramíneas ocupam vastas planícies frias e secas, por isso as plantas devem se adaptar ao clima que além de frio e seco, apresenta muito vento. As queimadas naturais são normais durante o verão e auxiliam na limpeza do terreno, preparando o solo para a próxima temporada de brotamento.

A tundra normalmente é encontra ao norte da floresta de coníferas e em grandes altitudes. O clima é frio e seco, o solo sofre de uma condição chamada permafrost, que é o congelamento da água presente no solo durante parte do ano. A vegetação é composta por herbáceas, musgos e raros arbustos, que devem se adaptar a climas frios de invernos longos, com pouca insolação durante o ano, pois durante grande parte do ano ocorrem noites longas. Durante o verão o sol se põe durante poucas horas, gerando dias longos, nos quais essa vegetação floresce e se reproduz. Essa variação é encontrada no centro da Escandinávia e extremo norte da Rússia, mas não ocorre no alto das cordilheiras dos Alpes e Pirineus.

Fontes:

CHRISTOPHERSON, Robert W. Geossistemas – Uma introdução à geografia física. Tradução: Francisco Eliseu Aquino ... (et al.). Porto Alegre: Bookman, 7ª edição, 2012. Francisco Mendonça

Townsend, C. R.; Begon, M. & Harper, J. L. 2010. Fundamentos em Ecologia. 3ed. Porto Alegre: Artmed. 576p.

Arquivado em: Europa