Palavra

Especialista em Planejamento, Implementação e Gestão da Educação a Distância (UFF)
Graduação em Letras (Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira, FUNCESI)

O conceito de “palavra” é abrangente e um tanto complexo, uma vez que engloba diferentes ângulos linguísticos: fonológico (som), morfológico (a constituição interna), sintático (a função que desempenha na sentença), semântico (sentido), entre outros. Neste artigo, o enfoque é, sobremaneira, no aspecto semântico. Basílio (2004, p. 15) ressalta que a palavra é normalmente tida como uma unidade de significação. Porém, essa pesquisadora faz ressalva à unidade, visto que são mais comuns as palavras que têm mais de um significado. Portanto, é crucial o olhar cuidadoso para o contexto em que a palavra se insere. Veja o caso, por exemplo, do vocábulo “cabeça”, que apresenta diferentes acepções:

  • Ele é o cabeça do grupo. (o líder, o mentor)
  • José tem cem cabeças de boi. (número de unidades de animais)
  • Laura sempre reclama de dor na cabeça. (parte do corpo)
  • Você tem uma cabeça boa! (boa memória)
  • A cabeça do prego está enferrujada. (determinada extremidade do objeto)

É interessante observar que os variados significados de “cabeça” giram em torno do sentido literal da palavra (parte superior do corpo humano e parte na qual se desenvolvem os pensamentos). A esse processo, dá-se o nome de “polissemia”.

Há palavras que despertam contínuas dúvidas, por apresentarem semelhança ou até mesmo igualdade de pronúncia e/ou grafia em relação a outras palavras. Observe:

Palavras Homônimas

Coloquei a “cela” ou “sela” em meu cavalo?

Resposta correta: Coloquei a sela em meu cavalo.

“Cela” refere-se ao local onde se fica detido na prisão.

Nesse caso, há homonímia (prefixo indicador de igualdade), isto é, trata-se de palavras que apresentam a mesma pronúncia, porém significados completamente distintos. Veja outras ocorrências:

  1. Ele cerrou a porta de sua casa. (fechou)
    Aquele homem serrou a árvore que danificou os fios elétricos. (cortou)
  2. O equipamento foi levado ao conserto hoje. (reparo/reforma)
    Fomos ao concerto da Filarmônica de Minas Gerais. (relativo à música)
  3. Após o temporal, o terreiro ficou empoçado. (formação de poças)
    O prefeito será empossado na próxima semana. (tomar posse)

Palavras Parônimas

As palavras que apresentam entre si semelhança na pronúncia e/ou escrita e significados completamente distintos são denominadas parônimas. Examine:

  1. O pedido de dispensa do trabalho foi deferido. (concedido)
    O encontro foi diferido para a próxima quarta-feira. (adiado)
  2. As restituições foram retificadas, após minuciosa revisão. (corrigidas)
    As provas foram ratificadas pela polícia. (confirmadas/comprovadas)
  3. O eminente escritor lançou um novo romance. (ilustre)
    Um surto de dengue é iminente. (que está prestes a acontecer).

Quando se trata de textos não literários, recomenda-se que sejam evitadas repetições desnecessárias, assegurando-se a progressão das ideias. No que tange aos textos literários, diversificados recursos são utilizados para o alcance de determinados efeitos de sentido, entre eles, a repetição. Perceba como ela se faz presente neste trecho do Poema da necessidade, de Carlos Drummond de Andrade:

Poema da necessidade

É preciso casar João,
é preciso suportar Antônio,
é preciso odiar Melquíades,
é preciso substituir nós todos.

É preciso salvar o país,
é preciso crer em Deus,
é preciso pagar as dívidas,
é preciso comprar um rádio,
é preciso esquecer fulana. (...)

Analise que a repetição de “É preciso” reforça a pressão exercida pela sociedade sobre as pessoas, ao ditar o que elas precisam fazer incessantemente. Nessa perspectiva, a repetição foi empregada com objetivos bem definidos, visando ao alcance de efeitos de sentido específicos.

Referências:
ANDRADE, Carlos Drummond. Poema da necessidade. In: ___ Sentimento do Mundo, 1940.

BASÍLIO, Margarida. Formação e classe de palavras no português do Brasil. São Paulo: Contexto, 2004.

BRASIL. Casa Civil da Presidência da República. Manual de Redação da Presidência da República. – Brasília: Presidência da República, 2002. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm>.

Arquivado em: Linguística, Português