Pronomes

Mestre em Linguística, Letras e Artes (UERJ, 2014)
Graduada em Letras - Literatura e Língua Portuguesa (UFBA, 2007)

Os pronomes são a classe de palavras categoremáticas (que não apresentam significado extralinguístico) com a função de substituir o nome, cumprindo funções análogas às exercidas pelos elementos nominais. São facilmente identificados, pois se organizam em número limitado de palavras.

Vale relembrar que as palavras categoremáticas, conforme Evanildo Bechara em “Moderna Gramática Brasileira”, “são formas sem substância”, porque apresentam, em primeiro lugar, um significado categorial, sem representar qualquer matéria extralinguística. Isso significa afirmar que não existe um elemento fora do contexto ao qual a palavra se refere. Por esta compreensão, os pronomes são elementos que funcionam apenas dentro do discurso, referindo-se a outras palavras no contexto linguístico, e estas, por sua vez, referem-se aos significados extralinguísticos. (objetos, lugares, pessoas que existem fora da linguagem)

Desta forma, em língua portuguesa, os pronomes podem ser substantivos, adjetivos e advérbios. Essas palavras assumem um significado lexical genérico, para aludir algo dado pela situação, ou pelas palavras do contexto em que estão inseridos. Por exemplo: pessoas, lugares, tempo, modalidades, dentre outros.

De acordo com os exemplos descritos, os pronomes servem para:

a) Representar um substantivo:

As plantas que resistiram ao tempo instável da última estação, atingindo-as diretamente, frutificam neste novo período do ano.

b) Acompanhar um substantivo determinando a extensão de seu significado:

Aquele texto histórico constitui uma teia de palavras, formando o que eu poderia chamar de arabescos. Esta imagem se caracteriza por um entrecruzamento de significados, no caso dos arabescos se entrecruzam linhas. Ele enredou os meus afetos enquanto leitora. Relembrei alguns antepassados, refiz a história da humanidade através da mitologia africana, após tê-lo lido. E esse processo transformou a minha maneira de agir sobre o mundo.

Neste exemplo os pronomes acompanham os elementos nominais modificando os seus sentidos, ou proporcionando ao leitor compreender a extensão de seus significados. Por esta razão, são pronomes adjetivos.

Faz-se uma distinção prática entre os pronomes substantivos e os pronomes adjetivos: os substantivos estão isolados na estrutura frasal, enquanto os pronomes adjetivos aparecem sempre acompanhando os substantivos com os quais estabelecem concordância nominal de gênero e número.

Os pronomes representam as pessoas gramaticais, ou pessoas do discurso, e dividem-se em: pessoais, demonstrativos, possessivos, indefinidos, relativos e interrogativos.

Pronomes pessoais

São as pessoas do discurso:

  • 1ª pessoa: quem fala
  • 2ª pessoa com quem se fala
  • 3ª pessoa de quem se fala

Observe o quadro com os pronomes pessoais:

Pessoa Reto Oblíquo átono Oblíquo tônico
1° singular Eu Me Mim
2° singular Tu Te Ti
3° singular Ele/Ela Se, Lhe, O, A Si, Ele, Ela
1° plural Nós Nos Nós
2° plural Vós Vos Vós
3° plural Eles/Elas Se, Lhes, Os, As Sí, Eles, Elas

Uma observação sobre o pronome pessoal: A tradição considera três pessoas do discurso. Porém, para a Moderna Gramática Portuguesa, (2009), do Professor Evanildo Bechara, ocorrem apenas duas pessoas do discurso, uma vez que a terceira representa uma “não pessoa”, pelo fato de não poder determiná-la.

Pronomes demonstrativos

1° singular Este Esta Isto
2° singular Esse Essa Isso
3° singular Aquele Aquela Aquilo
1° plural Estes Estas
2° plural Esses Essas
3° plural Aqueles Aquelas

Pronomes possessivos

Os pronomes possessivos relacionam-se com os pronomes pessoais, atribuindo-lhes posse. São considerados pronomes adjetivos e podem exercer a função sintática de adjunto adnominal.

Flexionam-se em gênero e número, e concordam com o objeto possuído, bem como com o possuidor.

PRONOMES POSSESSIVOS
Pessoa Singular Plural
Masculino Feminino Masculino Feminino
1° singular Meu Minha Meus Minhas
2° singular Teu Tua Teus Tuas
3° singular Seu Sua Seus Suas
1° plural Nosso Nossa Nossos Nossas
2° plural Vosso Vossa Vossos Vossas
3° plural Seu Sua Seus Suas

As orações exemplificam o uso do pronome possessivos, observe:

A atual conjuntura política não permite a nós, brasileiros, uma escolha transparente de nosso voto.

O Tribunal Regional Eleitoral convocou todos os eleitores ao o recadastramento através da digital. O voto representa o nosso exercício de cidadania.

Os pronomes possessivos também são utilizados para realçar a ideia de posse, informar o que cabe (fazer, realizar, deccidir) à pessoa do discurso, ou ainda são usados com um sentido de posse figurado.

Por exemplo: Eu tenho as minhas alegrias e tristeza, não posso me queixar. (posse no sentido figurado)

Pronomes demonstrativos

São usados com a função de situar a pessoa ou o objeto designado em relação às pessoas doo discurso, ou ainda, em relação ao espaço ou tempo.

De acordo com Celso Cunha e Lindley Cintra em Nova Gramática do Português Contemporâneo, (1985) “a capacidade de monstrar um objeto sem nomeá-lo, a chamada função dêitica (do grego deiktikós = próprio para demonstrar, demonstrativo), é a que caracteriza fundamentalmente esta classe de pronomes." (página 319)

Eles apresentam formas variáveis, invariáveis ou neutras. Observe o quadro:

Variáveis Invariáveis
Masculino (singular/plural) Feminino (singular/plural) Isto
Isso
Aquilo
Este(s)
Esse(s)
Aquele(s)
Esta(s)
Essa(s)
Aquela(s)

Pronomes relativos

São aqueles que se referem a um termo anterior, geralmente introduzem uma nova oração. Apresentam formas variáveis e invariáveis:

Variáveis Invariáveis
Masculino (singular/plural) Feminino (singular/plural) Que
Quem
Onde
O qual / Os quais
Cujo / Cujos
Quanto / Quantos
A qual / As quais
Cuja / Cujas
Quanta / Quantas

O valor do pronome relativo vai variar de acordo com a natureza do termo antecedente ao qual se refere. Que pode ser: um substantivo, um pronome, um adjetivo, um advérbio ou uma oração. No que concerne à função sintática, eles podem ser: sujeito, objeto direto ou indireto, predicativo, adjunto adnominal, complemento nominal, adjunto adverbial, agente da passiva. São diferentes das conjunções nesse sentido, pois elas não exercem nenhuma função interna, são apenas conectivos.

Pronomes interrogativos

São aqueles que iniciam perguntas diretas ou indiretas, há os variáveis e os invariáveis:

Que, quem, qual (quais), quanto (quanta, quantas, quantos)

Exemplo:

Que problema poderia enfrentar após sua denúncia?

O pronome interrogativo “quem” refere-se apenas à pessoas ou personificações de objetos, tem o valor de pronome substantivo:

Quem era a professora que mais alegrava aquela turma?

O pronome interrogativo “qual” pode estar referindo tanto pessoas como coisas e geralmente tem valor de adjetivo.

Qual é o endereço, em que bairro se localiza?

Os alunos explicaram para a diretora qual era o problema na sala de aula.

A diretora falava de qual professora?

Pronome indefinido

São pronomes indefinidos aqueles que se aplicam à 3ª pessoa do discurso de forma indeterminada ou imprecisa. Eles fazem referência aos substantivos de modo vago, impreciso ou genérico.

O pronome indefinido tem formas variáveis ou invariáveis:

Pronomes indefinidos variáveis Pronomes indefinidos invariáveis
Masculino Feminino
Singular Plural Singular Plural
Algum
Nenhum
Todo
Outro
Muito
Pouco
Certo
Vário
Tanto
Quanto
Qualquer
Alguns
Nenhuns
Todos
Outros
Muitos
Poucos
Certos
Vários
Tantos
Quantos
Quaisquer
Alguma
Nenhuma
Toda
Outra
Muita
Pouca
Certa
Vária
Tanta
Quanta
Quaisquer
Algumas
Nenhumas
Todas
Outras
Muitas
Poucas
Certas
Várias
Tantas
Quantas
Quaisquer
Alguém
Ninguém
Tudo
Outrem
Nada
Cada
Algo

Os pronomes invariáveis não recebem desinências para concordância verbal, e são usados somente como pronomes substantivos.

Exemplo:

O presidente da empresa não teve nada a declarar. (valor de substantivo)

Se todos realizassem as tarefas juntos, ninguém teria do que reclamar. (observe como o termo “ninguém” faz alusão a um substantivo vago, sabe-se que são pessoas, mas não se pode precisá-las, por isso são indefinidos)

Os pronomes variáveis concordam com as outras palavras no contexto, e são geralmente usados como adjetivos. Podem ocorrer casos em que funcionam como substantivos.

Algum, nenhum, todo, outro, muito, pouco, vário, tanto e quanto são exemplos de pronomes adjetivos, mas podem ocorrer como substantivos, conforme apresentado pela Nova Gramática do Português Contemporâneo:

Todos estavam alegres. (pronome substantivo)

Tudo é recorrente como pronome substantivo, mas ao lado dos termos isto, isso, aquilo, mais, ele torna-se pronome adjetivo:

Tudo isso é uma grande armadilha.

Bibliografia:

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. – 37. ed. rev., ampl. e atual. – Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

CASTILHO, Ataliba T. de. Nova gramática do português brasileiro. – 1. Ed., 4ª reimpressão – São Paulo: Contexto, 2016

CUNHA, Celso e CINTRA, Luís F. Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. – 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Arquivado em: Português