Poluição da água

Bacharel em Ciências Biológicas (UNIFESP, 2015)

A água é um recurso finito essencial para a manutenção da vida no planeta. Através de atividades antrópicas relacionadas ao descarte indevido de efluentes, uso inadequado de substâncias químicas, extração de recursos e modificação de condições físico químicas causamos a redução na qualidade da água, poluindo-a de diferentes maneiras e graus, causando consequências negativas tanto para os demais componentes da biosfera quanto para a própria sociedade humana.

Poluição em água de lago. Foto: overcrew / Shutterstock.com

A poluição de rios, lagos, oceanos e aquíferos pode ser pontual (quando ocorre através de uma única fonte identificável) ou não-pontual/difusa. A primeira é a forma mais fácil de ser combatida, uma vez que a origem dos poluentes pode ser rastreada e limitada. Um exemplo seria o despejo de esgoto através de canos. Para evitar que estes poluam os corpos d’água, os encanamentos de esgoto doméstico e industrial devem passar por estações de tratamento de esgoto (ETE’s) antes de serem direcionados para o ambiente. Dependendo da origem do poluente, são necessárias etapas adicionais de descontaminação (tratamentos primário, secundário e terciário) a fim de remover metais pesados, substâncias tóxicas, patógenos e reduzir a concentração de matéria orgânica presente na água. As fontes difusas são mais difíceis de serem combatidas e geralmente seu tratamento envolve uma maior logística e uso de recursos financeiros. O uso de pesticidas e fertilizantes nas zonas rurais é um exemplo de fonte não-pontual de contaminação aquática pois estas substâncias penetram no solo e são carreadas para rios e aquíferos através de muitos quilômetros de extensão. Nestes casos, a melhor abordagem seria limitar o uso de pesticidas e fertilizantes ou estipular uma distância de segurança em relação aos corpos hídricos próximos às plantações baseado na geologia do local.

Um efeito comum da poluição de lagos é a eutrofização. Quando poluentes com altas concentrações de fósforo e nitrogênio se acumulam em lagos eles causam o crescimento descontrolado de algumas espécies de cianobactérias, componentes naturais do fitoplâncton. Este crescimento, conhecido como florações ou bloom, causa a formação de um tapete algal na superfície da água, reduzindo a entrada de luz e oxigênio. Ao mesmo tempo, o acumulo anormal de matéria orgânica aumenta a taxa de decomposição, agravando o quadro de anoxia (falta de oxigênio) o que causa uma alta mortandade de peixes e muitos componentes do zoo e fitoplâncton.

Outro problema comum associado a poluição da água é a disseminação de doenças. O despejo de fezes animais, lixo e esgoto sem tratamento em rios que servem para o abastecimento de água ou são usados como local recreativo culminam com a proliferação de microrganismos com potencial patológico. Algumas doenças causadas desta forma são a giardíase (doença que causa graves problemas intestinais ocasionados pela Giardia lamblia), esquistossomose (infecção intestinal e renal por vermes do gênero Schistosoma) e cólera (infecção intestinal grave com a bactéria Vibrio cholerae, caracterizada por diarreia e vomito constantes e contínuos).

A fim de evitar a degradação dos recursos hídricos, são necessárias medidas preventivas relacionadas ao tratamento de poluentes e constante monitoramento dos corpos d’água seguindo protocolos bem estabelecidos. Para reduzir a contaminação da água devemos tratar os resíduos domiciliares, industriais e agrícolas em estações de tratamento buscando atingir parâmetros elevados de qualidade, manter a vegetação riparia nativa nas margens de rios e lagos, reduzir o uso de compostos químicos de difícil degradação, tratar de forma especial os resíduos contendo metais pesados, controlar a ocorrência de erosão de resíduos provenientes de atividades industriais e de mineração, construir sistemas de escoamento das águas da chuva e aperfeiçoar práticas mais sustentáveis (como o uso de materiais biodegradáveis, a rotação de cultivos, plantações orgânicas e reciclagem).

Referências:

Agrawal, A., Pandey, R.S. and Sharma, B., 2010. Water pollution with special reference to pesticide contamination in India. Journal of Water Resource and Protection, 2(05), p.432.

Chong, M.N., Jin, B., Chow, C.W. and Saint, C., 2010. Recent developments in photocatalytic water treatment technology: a review. Water research, 44(10), pp.2997-3027.

Jin, X., Xu, Q. and Huang, C., 2005. Current status and future tendency of lake eutrophication in China. Science in China Series C: Life Sciences, 48(2), pp.948-954.

Rörig, L.R., Tundisi, J.G., Schettini, C.A.F., Pereira-Filho, J., Menezes, J.T., Almeida, T.C.M., Urban, S.R., Radetski, C.M., Sperb, R.C., Stramosk, C.A. and Macedo, R.S., 2007. From a water resource to a point pollution source: the daily journey of a coastal urban stream. Brazilian Journal of Biology, 67(4), pp.597-609.

Schwarzenbach, R.P., Egli, T., Hofstetter, T.B., Von Gunten, U. and Wehrli, B., 2010. Global water pollution and human health. Annual Review of Environment and Resources, 35, pp.109-136.

Arquivado em: Água, Ecologia, Hidrografia