Era Paleozóica

Doutorado em Geociências (USP, 2015)
Mestrado em Geologia Sedimentar (UNISINOS, 2008)
Graduação em Ciências Biológicas (UNISINOS, 2006)

A Era Paleozóica (do grego palaios = antigo, e zoe = vida) é a era geológica que compreende uma das grandes eras do Éon Fanerozóico, correspondente aos 542 a 251 milhões de anos atrás da Escala do Tempo Geológico, ou seja, praticamente a metade do Fanerozóico, equivalente a 300 milhões de anos. O Paleozóico se subdivide nos períodos Cambriano, Ordoviciano, Siluriano, Devoniano, Carbonífero e Permiano.

Durante todo o Paleozoico, os continentes ainda estão em formação, até se unirem e formarem o mega continente conhecido como Pangea. O clima da Terra durante o Paleozoico oscila entre períodos de aquecimento e resfriamento. O Paleozoico inicia com o período marcado pela explosão da vida nos mares, segue com a diversificação da vida durante todos os períodos desta era, e encerra com a maior das extinções que ocorreram na história da Terra, resultante de um período de aquecimento global, o que levou a extinção de 95% da vida, sendo 96% das espécies marinhas e de 70% das espécies continentais, exterminando com o grupo das trilobitas, entre outros grandes grupos. Essa extinção é conhecida como a “extinção do Permo-Triássico”, que marca a passagem da Era Paleozóica para a Mesozóica.

Período Cambriano

O Cambriano (545-485 milhões de anos) é o período conhecido pela explosão da vida, onde se tem a origem dos principais grupos de organismos marinhos, e onde ocorre a irradiação de quase todos os grupos que encontramos atualmente. Os continentes emersos estavam agrupados, envoltos pelo oceano. As temperaturas se elevam a partir do final do Pré-Cambriano e permanecem assim durante todo o Cambriano. As condições que geraram essa explosão da vida e sua diversidade durante o Cambriano foi a falta de predadores nos mares, pois estes também estavam se originando junto a todos os outros organismos, o aparecimento de esqueletos biomineralizados (conchas e recifes), e as mudanças geoquímicas nos mares, devido o aumento de temperatura e oxigênio na Terra.

Período Ordoviciano

No período Ordoviciano (488-443 milhões de anos) ocorre uma expansão e diversificação dos animais conchíferos, o surgimento dos moluscos nautilóides como predadores e peixes primitivos, e a flora primitiva começa a ocupar o ambiente terrestre. Os continentes ocupavam o hemisfério sul, e o final do período registrou uma das maiores glaciações da Terra, gerando uma crise na biodiversidade.

Período Siluriano

O Siluriano (443-416 milhões de anos) é marcado pela baixa diversidade de organismos nos mares no início do período, evolução dos peixes e primeiras tentativas de adaptação da vida ao ambiente terrestre. Após a glaciação do final do Ordoviciano, há uma fase de Green House, com temperaturas semelhantes às da atualidade. Ocorre uma pequena extinção dos organismos mais abundantes nos mares tropicais, como comunidades recifais, trilobitas, moluscos gastrópodes e cefalópodes.

Período Devoniano

O Devoniano (416-359 milhões de anos) é conhecido por ser o período da abundância de peixes, além dos nautilóides, corais, braquiópodes, equinodermas, trilobitas, entre outros, nos mares tropicais quentes. Os continentes ainda estavam unidos e localizados no hemisfério e polo sul no início do período, com algumas porções emersas e submersas migrando para o Equador e hemisfério norte ao final do período. No final do Devoniano, algumas plantas lentamente transitaram do ambiente aquático e passaram a viver no ambiente terrestre, assim como diversos invertebrados (como os insetos), e os anfíbios primitivos. Isso reduziu drasticamente os níveis de CO2 da Terra, reduzindo a temperatura global e possibilitando a formação das primeiras florestas.

Período Carbonífero

O período Carbonífero (359-299 milhões de anos) é conhecido como o período das grandes florestas, as quais deram origem as grandes jazidas de carvão que temos atualmente. Também surgem os primeiros répteis. Os 2 grandes continentes desse período, o Gondwana e a Laurásia estão localizados em sua maior parte no hemisfério sul, caracterizando um clima mais ameno e um período de glaciação nas terras de Gondwana neste período.

Período Permiano

O último período da Era Paleozóica, o Permiano (299-251 milhões de anos), apresenta todos os continentes unidos em um mega continente, o Pangea. Nesse período, o planeta passa por um período de grande aquecimento global, o que levou a maior extinção em massa registrada na história do planeta, conhecida como “extinção do Permo-Triássico”, marcando o final da Era Paleozóica.

Arquivado em: Geografia, Geologia