Frente Ampla

Mestre em Educação (UFMG, 2012)
Especialista em História e Culturas Políticas (UFMG, 2008)
Graduada em História (PUC-MG, 2007)

A manutenção do regime militar por 21 anos não foi realizada a partir do consenso popular, nem mesmo das elites. Diversos movimentos se destacaram na luta contra a ditadura e um deles foi a Frente Ampla, composta por figuras públicas bastante conhecidas: Juscelino Kubitschek, João Goulart e Carlos Lacerda.

Criada em 1966, a Frente Ampla agrupou diversas correntes políticas de esquerda e tinha como consenso entre seus integrantes a busca pelo retorno à democracia. O grupo tinha como reivindicações o retorno às eleições diretas, anistia, retorno ao pluripartidarismo e ao direito de greve.

A Frente Ampla realizou entre os anos de 1966 e 1968 diversos comícios e manifestações de rua.

Conflito com o governo

A curiosa aliança entre antigos inimigos, Carlos Lacerda e aqueles que tanto criticou em seus artigos, João Goulart e Juscelino Kubitschek, iniciou-se a partir do afastamento de Lacerda da direita, após a edição do AI-1 que anulou as esperanças de Lacerda sobre as eleições de 1965, que seriam realizadas pelo voto indireto. A partir desse momento, Lacerda, que antes era visto como uma das principais lideranças civis do Golpe de 1964, passa a ser um de seus maiores críticos.

A oficialização do movimento se deu em 27 e setembro de 1966, quando Carlos Lacerda publicou em seu jornal, Tribuna da Imprensa, um manifesto no qual exigia eleições diretas, desenvolvimento econômico, reforma partidária e uma política externa soberana.

O conflito com o governo começou quando Lacerda iniciou uma mobilização da esquerda em prol de sua candidatura para futuro Presidente da República. A Frente Ampla passou a ser vista como uma possibilidade de restauração da condição anterior ao Golpe de 1964, o que fez com que Costa e Silva decretasse sua ilegalidade em abril de 1968. O crescimento do movimento a partir de grandes mobilizações realizadas em cidades do ABC Paulista, Londrina e Maringá levou o governo a combate-lo antes que ganhasse proporções maiores.

Conjugada ao movimento estudantil, a Frente Ampla passou a ser vista como uma ameaça aos militares. O movimento estudantil tinha a simpatia popular, o apoio de parte da Igreja Católica e da intelectualidade, ainda mais após a morte do estudante Edson Luís de Lima Souto em uma manifestação devido ao atraso da obra do restaurante do Calabouço. A reação desproporcional da polícia, que levou a morte do estudante, provocou grande comoção pública que foi de encontro aos comícios realizados pela Frente Ampla naquele contexto.

Em dezembro daquele mesmo ano, 1968, foi editado o AI-5, que permitiu a cassação do mandato de Lacerda e sua prisão. O líder da Frente Ampla perdeu seus direitos políticos por dez anos, mas conseguiu ser liberto após uma greve de fome de uma semana.

A morte das lideranças

Após a declaração de ilegalidade da Frente Ampla, o movimento foi encerrado rapidamente, teve vida curta. Seus líderes também não sobreviveram para ver o retorno à democracia no Brasil.

Em um intervalo de dez meses, os três líderes vieram a óbito. Juscelino morreu em 22 de agosto de 1976, em um acidente de carro na Via Dutra. Em 6 de dezembro de 1976, João Goulart morreu em Mercedes, na Argentina, devido a um ataque cardíaco. Lacerda morreu em 21 de maio de 1977 devido a uma infecção no coração após ter sido internado por desidratação. Há suspeitas de que essas mortes estejam relacionadas a Operação Condor, montada em 1975 entre militares do Chile, Argentina, Brasil e Paraguai a fim de combater seus opositores.

Bibliografia:

BUENO, Eduardo. Os anos de chumbo. In: Brasil: uma História: cinco séculos de um país em construção. Rio de Janeiro: Leya, 2012, p. 402-417.

CORTECERTU, Jair dos Santos. Há 50 anos, movimento de oposição Frente Ampla uniu Lacerda, JK e Jango, mas parou na ditadura. Folha de São Paulo, São Paulo, 4 set. 2017. Disponível em: <http://acervofolha.blogfolha.uol.com.br/2017/09/04/ha-50-anos-movimento-de-oposicao-frente-ampla-uniu-lacerda-jk-e-jango-mas-parou-na-ditadura/>. Acesso em 27 out. 2017.

DELGADO, Márcio de Paiva. A UDN, o lacerdismo e seus adversários. In: O "Golpismo Democrático": Carlos Lacerda e o jornal Tribuna da Imprensa na quebra da legalidade (1949-1964). 2006. 162 f. Dissertação de Mestrado. Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora. Disponível em: <http://www.ufjf.br/ppghistoria/files/2009/12/M%C3%A1rcio-de-Paiva-Delgado.pdf>. Acesso em 27 de out. 2017.

ISTOÉ. ”Mataram Lacerda”. Amante afirma que ex-governador foi assassinado e filha reforça suspeitas de atentado político. ISTOÉ, São Paulo, 4 jun. 2000. Disponível em: <https://istoe.com.br/37854_MATARAM+LACERDA+/>. Acesso em: 27 out. 2017.

MATINS, CRUZ, Sebartião C. C. E.; MATINS, Carlos Estevam. De Castello a Figueiredo: uma incursão na pré-história da "abertura". In: SORJ, Bernardo; ALMEIDA, Maria Hermínia Tavares (org.). Sociedade Política no Brasil pós-64. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008, p. 8-90. Disponível em: <https://static.scielo.org/scielobooks/b4km4/pdf/sorj-9788599662632.pdf>. Acesso em 27 out. 2017.

PRIORI, A., et al. A Ditadura Militar e a violência contra os movimentos sociais, políticos e culturais. In: História do Paraná: séculos XIX e XX. Maringá: Eduem, 2012, p. 199-213. Disponível em: <http://books.scielo.org/id/k4vrh/pdf/priori-9788576285878-15.pdf>. Acesso em 27 de out. 2017.

SCHWARCZ, Lilia M.; STARLING, Heloisa M. No fio da navalha: ditadura, oposição e resistência. In: Brasil: uma biografia. São Paulo: Cia das Letras, 2015, p. 437-466.

Arquivado em: Ditadura Militar