Partidos políticos no Brasil nos anos 50 e 60

Após o fim da Ditadura de Vargas (a chamada Era Vargas ou Estado Novo - 1930-1945) houve o restabelecimento da democracia brasileira. Em 1945, os partidos políticos reestruturam-se de acordo com os grupos sociais a que estão ligados.

Dessa forma, o período democrático (República Populista), que se estendeu entre 1945 a 1964, foi de uma grande agitação partidária no Brasil.

A organização política se estabeleceu assim:

- PTB (Partido Trabalhista Brasileiro): o partido que estava ligado aos sindicatos e chefes sindicalistas associados ao governo Vargas (dentro da estrutura corporativista que o Estado Novo criou no Brasil). Era composto pelos chefes sindicalistas, atrelados aos grupos estatais, e tinha grande aceitação popular pelo fato de ser o defensor dos trabalhadores. Dele, faziam parte o próprio Getúlio Vargas, além de João Goulart e Leonel Brizola. O PTB foi um constante aliado do PSD na disputa das eleições presidenciais, e apoiou as candidaturas do PSD em 1945, 1955 e 1960. Em 1950, Getúlio Vargas elegeu-se presidente pelo PTB.

- PSD (Partido Social Democrático): foi o maior partido da Repúlbica Populista, que atingiu o maior número de votos e o maior vencedor das eleições presidenciais no período. Era composto pela classe média alta e representantes dos setores empresariais. Tinha uma grande bancada no governo e dele faziam parte Juscelino Kubitscheck, Eurico Gaspar Dutra e o marechal Henrique Lott.

- UDN (União Democrática Nacional): a UDN era a representante dos grupos mais tradicionalistas do Brasil. Apresentava dificuldades na representação na bancada do governo por não possuir vínculos com as antigas formações do Estado Novo. Mesmo assim, nas eleições de 1960 conseguir eleger um candidato que não era de suas fileiras, mas tinha grande expressão popular, o ex-governador de São Paulo, Jânio Quadros.

Mas a vitória do candidato a presidente não se refletiu sobre a estrutura de poder. O vice-presidente eleito (na época, havia votações em separado para os cargos de presidente e vice) foi João Goulart, do PTB, cujas posições políticas eram opostas às do presidente em muitas questões.

Sem muitos apoios políticos e logo criticado pela opinião pública, Jânio renuncia em 1961, numa tentativa de golpe de estado. A UDN participou ativamente na conspiração que levou ao golpe de 1964.

- Outros Partidos: Além dos três grandes partidos destacaram-se também o Partido Social Progressista (PSP), partido de Adhemar de Barros, o Partido Republicano (PR), o Partido Democrata Cristão (PDC) que elegeu Jânio Quadros Presidente, em 1960, e o Partido da Representação Popular (PRP) que era herdeiro da Ação Integralista Brasileira, tendo Plínio Salgado como seu líder.

O Partido Comunista (PCB), a mais antiga organização partidária do país, foi legalizado pela primeira vez em 1945. O líder comunista Luís Carlos Prestes foi eleito para o Senado Federal. O partido chegou também a disputar a primeira eleição presidencial.

Em maio de 1947, porém, o PCB teve o seu registro eleitoral cancelado.

Com o advento da Ditadura Militar, os partidos políticos foram desfeitos, e foi organizado o Bipartidarismo, com a Lei Falcão, que criou a ARENA (Aliança Renovadora Nacional) de direita e o MDB (Movimento Democrático Brasileiro) com uma “esquerda” consentida pelo governo militar.

Fonte:
http://www.historialivre.com/brasil/partidos_politicos.pdf

Arquivado em: Brasil Republicano