Fundação de Roma

Graduada em História (Udesc, 2010)
Mestre em História (Udesc, 2013)
Doutora em História (USP, 2018)

A cidade de Roma que conhecemos hoje é bastante diferente da cidade antiga, fundada há quase três milênios. Isso porque, no período, Roma não representava apenas uma cidade, mas se transformou em um Estado poderoso, que fez de Roma um dos principais centros do mundo antigo. Por isso, é dessa época a famosa frase, até hoje utilizada: “todos os caminhos levam à Roma”.

Roma é uma palavra que designa não apenas uma cidade, mas também um Estado que inicialmente foi formado por populações indo-europeias, especialmente os latinos e os sabinos, que falavam o latim. O mito fundador de Roma é a lenda que conta a história de dois irmãos gêmeos: Rômulo e Remo. Rômulo teria sido o fundador de Roma e seu primeiro rei. Embora a história da fundação de Roma seja marcada por contos lendários, como o dos irmãos gêmeos nutridos por uma loba, entende-se que a fundação de Roma representa não apenas a fundação de uma cidade, mas também a conquista da Península Itálica que se espalhou por todo o Mar Mediterrâneo.

Estátuas de Rômulo e Remo sendo alimentados por uma loba estão espalhadas por toda a cidade. Foto: Artem Avetisyan / Shutterstock.com

A região onde Roma se desenvolveu, a península itálica, era dominada pelos etruscos, um povo que vivia ao norte de Roma, e tem uma cadeia montanhosa central com clima ameno e com chuvas constantes. Isso significa que as terras eram férteis e propícias tanto para a agricultura como para a criação de gado. Além disso, pela proximidade do Mar Tirreno ocupava uma posição estratégica para o desenvolvimento do comércio. Por isso a região apresentava um grande potencial para economia, seja com as plantações de insumos como trigo e cereais, seja com a criação de animais ou mesmo com o desenvolvimento comercial.

São poucos os registros sobre a fundação de Roma. As narrativas mais antigas datam de séculos após a sua fundação, e misturam-se com as lendas e mitos sobre o evento. O que se sabe se deve não só aos registros escritos de Tito Lívio (59 a.C. 0 19 d.C.), mas também às escavações arqueológicas e às interpretações de historiadores estudiosos da antiguidade. Acredita-se que Roma tenha sido fundada na Região do Latium (ou Região do Lácio, na Itália central), onde se falava o latim, língua que se alastrou pelo mundo e que deu origem, inclusive, ao idioma português, que nas palavras de Olavo Bilac era “a última flor do Lácio”.

Entre os anos de 753 a.C. e 509 a.C. Roma viveu, sob uma monarquia, um período de crescimento e transformação em cidade, incorporando diversas reformas, com a construção de espaços públicos, de fortificações, de calçadas, de sistemas de esgotos. A partir de 509 a.C. inicia-se o período conhecido por República Romana.

Assim, a história da Roma Antiga pode ser dividia em três períodos. O primeiro deles foi a Monarquia, que vigorou desde a fundação até 509 a.C. O segundo período foi a República, quando os patrícios se revoltaram contra os etruscos – povo do norte – e instauraram a República, sendo liderados por Brutus, o líder dos que se revoltaram e também o primeiro líder da nova República. A República romana durou até o ano de 27 a.C., quando houve a formação do Império Romano, que caracteriza o terceiro período. O Império durou até 395 d.C., quando foi dividido em Império Romano do Ocidente e Império Romano do Oriente, o primeiro com capital em Roma e o segundo com capital em Constantinopla.

Referência:

FUNARI, Pedro Paulo. Grécia e Roma. São Paulo: Contexto, 2002

Arquivado em: Civilização Romana