Pandemia de COVID-19

Mestre em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas (FIOCRUZ, 2011)
Graduada em Biologia (UGF-RJ, 1993)

Segundo a Organização Mundial de Saúde, pandemia é “disseminação mundial de uma nova doença e o termo passa a ser usado quando uma epidemia, - surto que afeta uma região - se espalha por diferentes continentes com transmissão sustentada de pessoa para pessoa”. A COVID-19 foi declarada pandemia pela Organização Mundial de Saúde em 11 de março de 2020.

O que é COVID-19 - Doença causada pelo coronavírus denominado SARS-CoV-2, que foi descoberto em 2019.

Ilustração 3D do Coronavírus (Sars-Cov-2). Créditos: Kateryna Kon / Shutterstock.com

Origem

No fim de 2019, adultos chineses que moravam em Wuhan - capital da província de Hubei -, apresentaram pneumonia grave de origem desconhecida. O ponto em comum desses casos foi a exposição dos pacientes ao Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan, que era também um local de comércio de animais vivos. Os casos foram investigados, e em 31 de dezembro de 2019, a Organização Mundial de Saúde foi notificada pela China da ocorrência desse surto, e no dia seguinte o mercado foi fechado. Em 13 de janeiro de 2020, foi confirmado o primeiro caso fora da China, na cidade de Bangkok, na Tailândia. A partir de 2 de março de 2020, começaram a ocorrer vários casos em territórios fora da China continental e em vários países ao redor do mundo, principalmente na Itália. Na grande maioria dos casos ocorridos fora da Itália e da China, os pacientes relataram visita às essas áreas.

Primeiros casos no Brasil

Em 26 de fevereiro foi confirmado o primeiro caso de coronavírus no Brasil, um homem de 61 anos que havia voltado da Itália. No dia 29 de fevereiro de 2020, o segundo caso importado é confirmado. Um homem que residia em São Paulo e que havia retornado também da Itália. Até aquele momento não havia indícios de circulação do vírus por aqui. A partir de março de 2020, os casos começaram a aumentar no Brasil, e capitais do Rio de Janeiro e São Paulo detectaram transmissão comunitária (quando não se sabe a origem da contaminação). No dia 13 de março de 2020, o Ministério da Saúde regulou os critérios de isolamento social e quarentena.

Efeitos na sociedade

Serão sentidos por um longo tempo. Muitas mudanças aconteceram e estão acontecendo. Medidas de isolamento social, distanciamento, desemprego, número grande de mortes em pouco tempo, serão sentidas ainda por um bom tempo. Resta saber se estas medidas acarretarão ou não mudanças na sociedade. Se analisarmos a história de outras pandemias, veremos que nem sempre o surgimento de uma doença nova em escala global trouxe mudanças na sociedade.

O uso de máscaras e o distanciamento social ajudam a diminuir as probabilidades de contágio pelo novo coronavírus. Foto: Toa55 / Shutterstock.com

Tomando, por exemplo a gripe espanhola que atingiu o mundo entre 1918 e 1919 e deixou de 50 a 100 milhões de mortos. A grande diferença entre a gripe espanhola e a atual pandemia da COVID-19 é que agora temos a tecnologia ao nosso favor e dispomos de condições muito melhores do que no início do século passado para tratar os doentes.

Efeitos no emprego

Em um primeiro momento, para tentar frear a disseminação dos vírus, países, estados e municípios fecharam as suas fronteiras, impedindo o trânsito de pessoas e afetando negativamente a economia. O isolamento da população e a consequente retração do consumo ocasionaram o desemprego de muitas que pessoas, que de uma hora par outra ficaram sem renda e sem condições de sustentar suas famílias. Isso afetou também os países, estados e municípios que perderam a renda que era obtida com a cobrança de impostos.

Entretanto, muitas empresas (tanto públicas como privadas) implantaram o regime de tele trabalho (ou Home Office) como medida de proteção aos seus funcionários e para que continuassem as suas atividades. Esta modalidade de trabalho se mostrou uma forma muito eficiente, pois, as empresas diminuíram seus custos e os empregados conseguiram maior tempo de convivência com a família, já que não precisavam mais se deslocar para o seu ambiente de trabalho. E com a economia gerada as empresas conseguiram manter muito dos postos de trabalho, diminuindo o desemprego.

Foto: Peter Kniez / Shutterstock.com

O comércio em geral foi diretamente afetado pela pandemia, pois foi necessário o fechamento de lojas e shoppings para evitar a aglomeração e a consequente disseminação do vírus. Com o comércio fechado, os lojistas de todos os ramos precisaram arranjar um modo de continuar vendendo as suas mercadorias e a única maneira foi apostar no “e-commerce” (comércio virtual) e no “delivery” (entrega em casa). Estima-se que houve um aumento de 400% no número de lojas físicas (principalmente as de micro, pequenos e médio porte) que aderiram ao “e-commerce”. Com isso, muitas delas conseguiram superar a crise e mantiveram os empregos dos seus funcionários.

Fake News

Desde o início da pandemia do COVID-19, fomos bombardeados com diversas “fake news” a respeito do novo coronavírus. Como, por exemplo, a que diz que o coronavírus pode ser combatido com os mais diversos tipos de líquidos. Mas o que são “fake news”? São notícias falsas que são difundidas principalmente nas redes sociais e podem causar pânico e desinformação. Se caracterizam pelo boato e pelo exagero. Por serem compartilhadas rapidamente, pois, muitas pessoas acreditam que são informações reais. Não devemos acreditar em todas as notícias que lemos nas redes sociais. Antes de repassar uma mensagem por mais simples que seja, devemos checar se as informações são verdadeiras ou não, para não nos tornarmos um divulgador de “fake news”. O Ministério da Saúde, na sua página na internet disponibiliza um número de telefone onde é possível saber, via aplicativo de mensagem, se determinada notícia é ou não uma “fake news”.

Leia também:

Bibliografia:

A Review of Coronavirus Disease-2019 (COVID-19). The Indian Journal of Pediatrics (April 2020) 87(4):281–286. https://doi.org/10.1007/s12098-020-03263-6.

Coronavírus: impactos históricos e sociais provocados pela pandemia da Covid-19. disponível em: https://saudedebate.com.br/noticias/coronavirus-impactos-historicos-e-sociais-provocados-pela-pandemia-da-covid-19 Acessado em 17/08/2020.

Folha informativa COVID-19 - Escritório da OPAS e da OMS no Brasil. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875 Acessado em 07/09/2020.

Linha do tempo do Coronavírus no Brasil. Disponível em: https://www.sanarmed.com/linha-do-tempo-do-coronavirus-no-brasil Acessado em 07/09/2020.

Novo coronavírus: origem e evolução baseadas em estudos filogenéticos. Disponível em: http://www.canalciencia.ibict.br/ciencia-em-sintese1/especial-covid-19/353-novo-coronavirus-origem-e-evolucao-baseadas-em-estudos-filogeneticos Acessado em 07/09/2020.

O que é uma pandemia. Disponível em: https://www.bio.fiocruz.br/index.php/br/noticias/1763-o-que-e-uma-pandemia Acessado em 30/08/2020.

Pandemia do coronavírus faz e-commerce explodir no Brasil. Disponível em https://www.istoedinheiro.com.br/pandemia-do-coronavirus-faz-e-commerce-explodir-no-brasil/ Acessado em 17/08/2020.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.