Gravitação Universal

Por Thomas Carvalho
Logo o homem pode observar o céu já houve estudos sobre o que poderia estar acontecendo ali. Os primeiros estudos científicos do universo, foi feito por filósofos da Grécia Antiga, são daí as primeiras descrições dos sistemas planetários. Ptolomeu (100 – 170) propõe em sua famosa obra Almagesto, um sistema planetário geocêntrico.

O astrólogo polonês Nicolau Copérnico (1473-1543), em sua obra Sobre a revolução dos corpos celestes, publicada um ano após sua morte descreve um sistema que tem o Sol como o centro, dito heliocêntrico.

Coube ao discípulo de Tycho Brahe (1546-1601) Johannes Kepler (1571-1630) que era contemporâneo de Galileu Galilei (1564-1642) descrever com bastante precisão os movimentos dos corpos celestes.

As Leis de Kepler. (Todas consideram o Sol como referencial).

Primeira Lei de Kepler (ou Lei das Órbitas)

“Os planetas descrevem órbitas elípticas ao redor do Sol, sendo que este ocupa um dos focos da elipce.”

Segunda Lei de Kepler (ou lei das Áreas)

“O segmento imaginário que une o centro do Sol e o centro do planeta varre áreas proporcionais aos intervalos de tempo dos percursos.”

Terceira Lei de Kepler (ou Lei dos Períodos)

“ O quadrado do período de revolução de cada planeta é proporcional ao cubo do raio médio da respectiva órbita.”,

T2 = Kr3

Sendo que K depende diretamente, e apenas da massa do Sol.

Lei da Gravitação Universal

Corpos atarem-se com forças que são diretamente proporcional à sua massa e inversamente proporcional ao quadrado de suas distâncias.

, G a constante de atração gravitacional 6,67 x 10-11