Cidades mais populosas do Brasil

Ouça este artigo:

O Brasil é um país continental dividido em 26 estados, mais o Distrito Federal. Seus municípios somam 5.570 e a sua extensão é de 8.547.403 km². Em termos territoriais, o Brasil é o quinto maior país do mundo.

Segundo o último levantamento anual de estimativa do IBGE (2021), a população brasileira chegou a 213,3 milhões de habitantes. Já no censo demográfico realizado pelo órgão em 2010 foi constatado que o país contava com 190.732.694 habitantes, divididos entre 97.442.162 mulheres e 93.390.532 homens.

Quais são as cidades brasileiras mais populosas?

O estudo aponta para milhões de habitantes distribuídos em 17 cidades, dentre elas, 14 são capitais. Ao todo, 46,7 milhões de pessoas estão nestas urbes.

São Paulo, capital do Estado, é a cidade mais populosa do país, somando 12,4 milhões. Em segundo, o Rio de Janeiro, com 6,8 milhões, Brasília, 3,1 milhões, Salvador, com 2,9 milhões e, por fim, Fortaleza com 2,7 milhões de habitantes. Desta forma, as cinco cidades brasileiras mais populosas são: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador e Fortaleza, representando respectivamente o Sudeste, o Centro-Oeste e o Nordeste.

Cidade de São Paulo, paisagem altamente influenciada pela ação humana. Foto: Thiago Leite / Shutterstock.com

Desigualdades regionais

A maior parte da população concentrada em São Paulo e no Rio de Janeiro simboliza que a região Sudeste é a mais populosa do Brasil. Porém, este cenário parece alterar-se gradualmente. Durante o censo realizado no período entre 2000 a 2010 houve uma leve queda populacional nas regiões Sudeste, Nordeste e Sul do país. Já nas regiões Norte e na Centro-Oeste foi observado um aumento da população.

O estado do Amapá lidera o crescimento populacional, seguido de Roraima e Acre. O decréscimo ficou por conta dos estados do Rio Grande do Sul, Bahia e Paraná.  Apenas 15,65% do total desta população concentra-se em áreas rurais, e o restante ocupa áreas urbanas.

Concentração populacional urbana no século XX

Em 1940, o Brasil era predominantemente rural, apenas 31% da população brasileira vivia em cidades. A atividade econômica principal era exercida no campo, seguindo um modelo agroexportador, apesar de já existir um campo industrial desenvolvido naquele período. Somente a partir da década de 1950, endossando o aumento do processo de industrialização iniciado no Estado Novo (anos 30), o processo de urbanização se intensificou, formando um mercado interno que provocou uma massiva migração para o Sudeste do país, região com maior infraestrutura e que concentrava a maior parte das indústrias.

Devido à oferta de emprego e melhoria nos serviços de saúde, educação e transporte, em 1970 mais da metade da população já se concentrava nas áreas urbanas, passando de 13 milhões para 138 milhões de brasileiros durante um período de 60 anos. Notavelmente, na década de 1970 ocorreu também o incremento na direção das empresas estatais, gerando empregos com maior estabilidade, o que resultou em uma política familiar mais bem estruturada e crescente.

Embrapa

Como consequência deste período de atenção às estatais, foi fundada em 1973 a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). Assim, por meio deste órgão, foi realizado um estudo em 2017 constatando que as áreas urbanas estão presentes em torno de 1% no território nacional, com aproximadamente 84,3% da população brasileira ocupando esta parcela territorial, o que evidencia a falta de investimento na região rural.

Segundo especialistas, tal problema poderia ser resolvido com a introdução da cultura da agricultura familiar no país, cedendo incentivo e terras improdutivas aos cidadãos que, por sua vez, gerariam o retorno do investimento com a produção de alimentos. Isso seria também uma forma de garantir a segurança alimentar do brasileiro e fomentar o campo econômico.

O processo de crescimento acelerado das urbes, sem planejamento, política social e econômica, trouxeram consequências graves ao país, como a ausência de moradias, ocupações irregulares sem estruturas básicas sanitárias, violência urbana, poluição e enchentes constantes.

Cidades menos habitadas do Brasil

A cidade de Serra da Saudade, em Minas Gerais, conta com o menor índice, 771 pessoas, juntamente com Borá, município de São Paulo (839 habitantes), fecham a lista: Araguainha, no Mato Grosso (909 habitantes) e Engenho Velho, no Rio Grande do Sul (932 habitantes).

Leia também:

Fontes:

https://www.gov.br/pt-br/noticias/financas-impostos-e-gestao-publica/2021/08/populacao-brasileira-chega-a-213-3-milhoes-de-habitantes-estima-ibge

https://exame.com/brasil/as-200-cidades-mais-populosas-do-brasil/

https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2021-08/brasil-tem-49-municipios-com-mais-de-500-mil-habitantes

https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/28840923/mais-de-80-da-populacao-brasileira-habita-063-do-territorio-nacional

https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/divisao-regional/15782-arranjos-populacionais-e-concentracoes-urbanas-do-brasil.html

Arquivado em: Geografia