Pteridófitas (Pteridophyta)

Por Fabiana Santos Gonçalves
Com o desenvolvimento de estruturas condutoras de água dentro das plantas foi possível a conquista do ambiente terrestre, e consequentemente, o surgimento de plantas maiores.

A evolução dos vegetais também resultou no surgimento das sementes (a partir das gimnospermas) que são estruturas de nutrição e proteção do embrião.

Esses processos evoluíram paralelamente com a redução do tamanho e duração do gametófito.

Folhas

As folhas desenvolvem-se a partir do meristema apical do caule. Existem dois tipos de folhas:

Microfilos: São folhas pequenas e relativamente simples, dotadas de apenas uma nervura e associadas a caules protostelos.

Megafilos: São folhas maiores que os microfilos e mais complexas também. Possuem varias nervuras e estão associadas com caules do tipo sifonostelo e eustelo.

Caule

O meristema apical é responsável pelo crescimento das extremidades das plantas, como raízes e caules e é chamado de crescimento primário. Os meristemas laterais são responsáveis pelo aumento da espessura do caule e da raiz. Também estão envolvidos na formação dos tecidos vasculares como o xilema e floema.

Com o desenvolvimento dos vasos condutores, novas estruturas relacionadas surgiram, como os elementos crivados, que são células condutoras do floema e os elementos traqueais, que são células condutoras do xilema (chamados de traqueídes) e também ajudam na sustentação do caule.
Os elementos de vaso são as principais células de condução de água em angiospermas.

O xilema e o floema possuem desenvolvimento primário (crescimento) e secundário (espessura). O eustelo é o cilindro central do caule e possui uma medula no interior, no tecido vascular primário. O eustelo pode ser classificado em:

Protostelo: é o tipo mais primitivo e também o mais simples. O xilema esta difuso com o floema ou circundado por ele. Presente na maioria das raízes.

Sifonostelo: o floema forma-se externamente a xilema e esta presente na maioria das traqueófitas.

Eustelo: é composto por uma medula circundada por feixes isolados.

Reprodução

As plantas vasculares sem sementes ainda dependem da água para sua reprodução. Os anterozóides precisam nadar ate a oosfera para fecundá-la.

Quanto à produção de esporos, podem ser classificadas como:

Homosporadas: são plantas que produzem apenas um tipo de esporo, que produz gametófitos bissexuados, podendo haver unissexuados.

Heterosporadas: produzem dois tipos de esporos por diferentes esporângios, chamados micrósporos produzidos pelos microsporângios e dão origem a gametófitos masculinos (microgametófitos). Os megaesporângios produzem os megásporos, que dão origem ao megagametófito, que produz os gametas.

A maioria dos gametófitos é independente do esporófito em relação à nutrição. O tamanho e a complexidade também diminuem conforme vão evoluindo.

Classificação

No grupo das pteridófitas encontramos as seguintes divisões:

- Psilotophyta
- Lycophyta
- Sphenophyta
- Pterophyta