Utilização da vírgula

Especialista em Planejamento, Implementação e Gestão da Educação a Distância (UFF)
Graduação em Letras (Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira, FUNCESI)

A vírgula é o sinal de pontuação que sinaliza uma pausa de curta duração. O referido recurso apresenta diferentes empregos, em virtude das intenções que se desejam alcançar. Para o início da abordagem, sugere-se a leitura do poema Recomeço, de Legran:

Recomeço

Se as nossas chaves não abriram as portas que
desejávamos, se nossos fracassos ocasionais
nos levaram ao desânimo, é hora de utilizar as forças da natureza, da qual somos filhos.

Todos os dias, tudo recomeça na natureza e,
a cada amanhecer, surge uma nova chance
para recomeçar um caminho que possa
nos conduzir a destinos melhores.

Por isso, aproveite a folha em branco que a
vida nos dá todos os dias.

Veja, sobretudo, quão maravilhoso é
poder ter na oportunidade do recomeço,
a chance de poder tentar tudo de novo.

O inspirador poema, em questão, foi escrito de modo formal. Para a compreensão do uso da vírgula, propõe-se uma releitura atenta, com o objetivo de se identificar o porquê de cada emprego do sinal de pontuação citado. A primeira vírgula foi utilizada para assegurar o encadeamento de orações que se relacionam, de modo coordenado. Note que a quase repetição do início dessas orações explicita o quanto estão coordenadas: Se as nossas [...], Se nossos fracassos [...]. Eis, então, o primeiro fim: separar orações coordenadas. Outro exemplo desse uso:

Aquele rapaz realiza as lições de casa, estuda muito para as provas, ajuda os colegas que têm dificuldade de aprendizagem.

A segunda vírgula tem por propósito indicar que houve a inversão da ordem das frases. Realizando a reinversão, isto é, a transformação para a forma direta, tem-se: É hora de utilizar as forças da natureza, da qual somos filhos, se as nossas chaves não abriram as portas que desejávamos, se nossos fracassos ocasionais nos levaram ao desânimo. O deslocamento de frases é utilizado, de modo contínuo, em situações de fala e escrita. Ao fazê-lo, busca-se dar um maior destaque para a informação que fora colocada em primeiro plano. Observe outras ocorrências de inversão: a primeira, com a intenção de realçar a expressão Todos os dias, colocando-a no princípio da frase; ao passo que a segunda destaca a cada amanhecer no interior da frase e, não, em seu fim.

Todos os dias, tudo recomeça na natureza...

Tudo começa na natureza todos os dias. (Ordem direta)

[...] tudo recomeça na natureza e, a cada amanhecer, surge uma nova chance [...].

Tudo recomeça na natureza e surge uma nova chance a cada amanhecer. (Ordem direta)

Já na terceira estrofe, a vírgula isola o termo Por isso, que tem a finalidade de unir a ideia da segunda estrofe à da terceira, com o intuito conclusivo. Outras palavras como “porém”, [denominadas “conjunções coordenativas”, que como o próprio nome sugere, são utilizadas para interligar as orações, estabelecendo, entre elas, diferentes efeitos de sentido] encaixam-se nessa regra:

Fábio não compareceu aos treinos hoje. Porém, não se sabe o motivo.

No interior da frase, precede-se da vírgula:

Vá ao brinquedo que quiser, porém não perca de vista os seus pais.

Em prosseguimento, avalie que, na frase [...] as forças da natureza, da qual somos filhos, a expressão da qual retoma à natureza. A vírgula une a informação complementar (de quem somos filhos) ao termo antecedente (a natureza). Agora, veja um exemplo em que a vírgula tem por finalidade sinalizar a inserção de uma explicação. Essa ocorrência é chamada de aposto:

Mariana, cidade histórica na região central de Minas Gerais, sofreu o maior desastre ambiental registrado no país.

Na sequência, o poema apresenta um exemplo em que a vírgula visa à inserção ou intercalação de termos:

Veja, sobretudo, quão maravilhoso [...]

A expressão destacada necessita ser inserida entre vírgulas, uma vez que houve a modificação (a interceptação) na construção da frase, que a princípio é: Veja quão maravilhoso [...].

Veja, a seguir, outras ocorrências do sinal de pontuação “vírgula”, por meio de diversificados exemplos:

1. Na enumeração de aspectos:

Os exames checaram taxas de glicose, colesterol, triglicérides.

2. Na omissão ou ocultação de um termo (geralmente, verbo):

O livro trata dos benefícios do consumo diário de frutas e a revista, do consumo de verduras.

Note que a vírgula tem a finalidade de ocultar o verbo (trata), evitando repeti-lo.

3. Antes de gerúndio (forma verbal, terminada em “ndo”):

O rapaz foi para a casa do amigo, passando pelo centro da cidade.

4. Para separar o vocativo (chamamento):

Gabriel, você pode chamar a sua mãe, por favor?

5. Para separar os nomes de lugares das datas:

Bom Jesus do Amparo, 24 de novembro de 2015.

6. Entre palavras explicativas e corretivas. Exemplos: ou melhor, isto é, aliás, quer dizer, digo, por exemplo, além disso, então [...]:

A palavra “todavia” expressa a ideia de adversidade, ou seja, de oposição.
Todos os vereadores compareceram à reunião, ou melhor, quase todos.

Para concluir: Conforme demonstrado, a “vírgula” é utilizada para diversas finalidades comunicativas. Nesse contexto, um estudo cuidadoso permitirá que ela seja empregada de modo adequado.

Referências:
BRASIL. Casa Civil da Presidência da República. Manual de Redação da Presidência da República. – Brasília: Presidência da República, 2002. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm>.

LEGRAN. Recomeço. Disponível em: < http://pensador.uol.com.br/poemas_de_legrand/>. Acesso em: 20 de novembro de 2015.

Arquivado em: Português