Ácidos orgânicos

Mestre em Química (UFRJ, 2012)
Graduada em Química (UFRJ, 2010)

Ácidos orgânicos são ácidos que resultam da atividade sintética de plantas e animais, porém distintos dos ácidos de decomposição como o ácido úrico. Considera-se então como ácido orgânico todo ácido encontrado naturalmente em frutas e vegetais e que são usados pelas plantas em seus processos sintéticos, por exemplo na formação de éteres e carboidratos.

Ácidos oriundos de frutas e ácidos vegetais são benéficos apenas nas suas formas orgânicas ou como derivados sais ácidos. Os ácidos preparados artificialmente, vendidos em refrigerantes e em outras formas, nunca produzem os efeitos benéficos que se obtém dos ácidos orgânicos. Os ácidos extraídos também não são benéficos. Os ácidos de frutas e vegetais devem ser absorvidos apenas pela alimentação comendo-se a fruta ou vegetal ou na forma de sucos.

Os ácidos orgânicos existem em porcentagens diferentes em frutas e vegetais. Em muitos alimentos o ácido existe em porcentagens minúsculas e em nenhum deles é a porcentagem de ácido muito grande. Eles têm um sabor muito agradável e são apreciados por todos. Alguns destes, os mais comuns, são os seguintes:

  • Ácido cítrico: é encontrado em laranjas, limões, toranjas, tangerinas, abacaxis, romãs, tomates, marmelos, groselhas, framboesas, morangos e muitos outros, quer como um ácido, quer combinado com sais alcalinos formando citratos. O ácido cítrico é absorvido no trato digestivo e, após a decomposição no corpo, é eliminado pelos rins como carbonato de sódio.
  • Ácido oxálico: é talvez o mais amplamente distribuído de todos os ácidos orgânicos, ocorrendo em frutas, vegetais, cacau, chocolate, café e chá. As opiniões diferem sobre sua disponibilidade para o corpo, mas, excesso, provavelmente pode causar danos e é responsável pelo desenvolvimento de pedras nos rins. A porcentagem deste ácido na maioria dos vegetais e frutas é tão pequena que há pouco perigo de excesso. Uma dieta rica em espinafre, chá, café e cacau irá facilmente introduzir um excesso no corpo. Na pessoa normal, o ácido oxálico entra no corpo como um ácido livre ou como sal, geralmente um sal de cálcio, sofre oxidação em dióxido de carbono e água, deixando suas bases à do corpo.
  • Ácido acético: é encontrado em muitas plantas. Combina prontamente com sódio, potássio, amônio e outros álcalis, formando sais ou acetatos. Estes acetatos existem naturalmente nos sucos de muitos vegetais. O ácido e seus sais são convertidos em carbonatos alcalinos no organismo.
  • Ácido málico: é encontrado em maçãs, damascos, cerejas, groselhas, mangas, papaias, peras, pêssegos, abacaxis, ameixas, tomates, amoras, framboesas, morangos, no estado livre ou em combinação com bases alcalinas, como malatos.
  • Ácido tartárico: é um dos ácidos orgânicos mais comuns. Uvas, mangas e tamarindos e outras frutas contêm este ácido. À medida que as uvas amadurecem seu ácido tartárico desaparece e o açúcar e outros carboidratos aumentam.
  • Ácido lático: é produzido na fermentação do açúcar do leite (lactose), quando o leite azeda. A fermentação de vários açúcares, amidos e outras substâncias, na presença de proteínas, também dá origem ao ácido lático como subproduto.

Um estudo utilizando algumas frutas revelou a quantidade de ácidos orgânicos presente nelas:

  • Morango – 90% de ácido cítrico, 10% de ácido málico.
  • Abacaxi – 87% de ácido cítrico e 13% de ácido málico.
  • Framboesa – 97% de ácido cítrico e 3% de ácido málico.
  • Amora – 100% de ácido cítrico.
  • Uva da concórdia – 60% de ácido cítrico e 40% de ácido tartárico.

Leia também:

Bibliografia:

Atkins, P.W., Jones, L., Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio ambiente 5ª ed., Porto Alegre: Ed. Bookman, 2012.

Usberco J., Salvador E., Química Geral, 12ª.ed., São Paulo: Saraiva, 2006.

http://web.ccead.puc-rio.br/condigital/mvsl/Sala%20de%20Leitura/conteudos/SL_funcoes_organicas.pdf

http://qnint.sbq.org.br/novo/index.php?hash=conceito.14

http://chestofbooks.com/health/natural-cure/The-Hygienic-System-Orthotrophy/Chapter-VIII-Organic-Acids.html