Evolução da Filosofia Natural para Física Moderna

Mestre em Oceanografia Física (USP, 2019)
Graduada em Física (UFABC, 2016)

Ouça este artigo:

Por definição a Física é uma ciência que estuda os fenômenos da natureza. Mas essa curiosidade sobre isso existe desde os primórdios da humanidade, sendo que esse conhecimento foi se desenvolvendo ao longo da história, não de maneira linear como vemos nos livros, mas em diferentes locais e em diferentes épocas.

Pré-História (até 3500 a.C.)

Nesse período (antes da escrita) a preocupação do ser humano era sobreviver. Por isso não temos registros de tentativas de explicar os fenômenos que cercavam as pessoas, pelo menos não de maneira racional.

Antiguidade (3500 a.C. até 476)

As antigas civilizações egípcias e mesopotâmicas tinham um grande conhecimento matemático e de fenômenos que afetavam o seu dia a dia. Eles foram os primeiros a tentar explicar o que conhecemos como átomo: para eles a água, o ar e a terra são os elementos primários da natureza, ou seja, tudo era construído a partir deles.

Os gregos antigos acrescentam a ideia dos egípcios e mesopotâmicos que o fogo também era um elemento primário. Eles foram os primeiros a tentar a explicar fenômenos naturais de maneira racional (surgem os filósofos naturais). Destacamos:

  • Os atomistas gregos: primeiras hipóteses sobre a composição da matéria (átomo + vácuo).
  • Aristóteles: ideias sobre movimento, queda de corpos pesado e geocentrismo. Suas ideias dominam a física até a Idade Média. É ele também quem formula um modelo de cosmo onde a Terra é o centro (fixo).
  • Arquimedes: desenvolveu importantes estudos sobre hidrostática, incluindo o famoso Princípio de Arquimedes. Ele formula o princípio de flutuação e das densidades relativas.
  • Euclides: desenvolve estudos sobre ótica.

Os chineses também tinham seus estudos sobre física, mas diferente dos gregos, eles focaram na explicação do Universo como resultado do equilíbrio de forças opostas (ying e yang). Essa teoria é retomada na física quântica.

Arquimedes descobriu a hidrostática durante um banho de banheira.

Idade Média (476 até 1453)

Conhecida como Idade das Trevas por alguns (ciência desenvolvida na Europa era controlada pela Igreja), a Idade Média não foi um período de completo apagão científico como todos pensam.

Com a queda do Império Romano (sec. V), muitos manuscritos gregos foram levados para Oriente Médio e Egito e, traduzidos para o árabe. Isso, aliado ao conhecimento que os árabes já tinham (árabe, persa e indiano), permitiu que muitos conhecimentos continuassem a ser desenvolvidos. No século XII, os árabes reconquistam territórios na Europa, fazendo com que documentos árabes e gregos fossem traduzidos para o latim, que com o passar dos séculos passa a ser estudados em escolas paralelas a Igreja, originando as universidades da Idade Média, e retomando os temas estudados pelos gregos.

Em contrapartida, a Índia e a China continuaram seus estudos sobre ciências antigas, desenvolvendo entre outras coisas teorias atômicas e o estudo de magnetismo.

Idade Moderna (1453 até 1789)

A partir do século XIV, o estudo dos documentos árabes e gregos, em conjunto com a ocorrência do Renascimento (movimento histórico e cultural), faz com que o conhecimento e a aprendizagem na Europa tenham uma explosão. É nesse período que a física começa a ser aplicada nas indústrias. A, partir do século XVIII, isso se modifica um pouco, e passamos a ter uma física mais voltada para aplicação. Vejamos alguns dos principais nomes desse período:

É nessa época que temos também o desenvolvimento de novas teorias atômicas.

Julgamento de Galileu Galilei pela Inquisição da Igreja Católica. Foi condenado à prisão domiciliar perpétua por causa de sua teoria heliocentrista.

Idade Contemporânea (1789 até dias atuais)

A partir do século XX começa a surgir a chamada Física Moderna. Surgem estudos sobre novas estruturas atômicas, radioatividade e ondulatória. Grandes nomes desse período são:

Ainda hoje a física está em desenvolvimento, buscando entender os fenômenos que ocorrem, porém hoje ela também se interessa por questões bem mais complexas, como por exemplo, a fusão nuclear controlada. Mas isso não quer dizer que todo este estudo e desenvolvimento não sejam importantes, pelo contrário, sem essa base não seria possível a sociedade estar como está hoje em dia.

Marie Curie em seu laboratório.

Referências:

LIMA, Luiz Carlos. História da Física. Curso de História da Ciência, Divisão de Astrofísica do Instituto Nacional de Pesquisas espaciais (INPE). Disponível em: <http://www.das.inpe.br/~alex/Ensino/cursos/historia_da_ciencia/artigos/Historia_da_Fisica_30.pdf>. Acessado em: 12/01/2022.

Arquivado em: Ciências, Física, História