Krill

O krill é um dos habitantes do continente antártico, trata-se de um crustáceo cujo comprimento varia de 7 a 8 cm de comprimento. A sua parte alimentícia (a cauda) constitui para o ser humano um complemento alimentar muito valioso. Este crustáceo, similar ao camarão, possui aproximadamente 90 espécies diferentes, se alimenta de pequenas algas chamadas diatomeas e é encontrado, de acordo com a espécie, na superfície e até a 2000m de profundidade. O krill emite uma cor azul esverdeada que, provavelmente, o ajuda a reunir-se com seu grupo para desovar.

Krill. Foto: Øystein Paulsen (MAR-ECO) [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) or CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)], via Wikimedia Commons

Krill. Foto: Øystein Paulsen (MAR-ECO) [GFDL or CC-BY-SA-3.0], via Wikimedia Commons

O krill vive em mar aberto e constitui um elemento importante na cadeia alimentar. Devido à sua abundância, o krill é fonte de alimento de diversas espécies de animais, dentre os quais se destacam: pinguins, peixes, mamíferos, grandes cetáceos, feito as baleias, que chegam a consumir duas toneladas de uma só vez. O krill é um elo fundamental no ecossistema antártico e as maiores concentrações são encontradas no Mar da Scotia, com valores de 15 kg/m³.

Este animal é uma opção interessante para a alimentação humana devido ao seu alto valor biológico e nutricional, bem como a prevenção de inúmeras doenças. O krill possui substâncias indispensáveis ao nosso organismo. As vitaminas encontradas no krill são:

vitamina A, B, B2, B3 (ácido nicotínico), B5, B6, B9 (ácido fólico), B12, C, D, E, H (biotina), betacaroteno e astaxantina.

O krill também é fonte de proteínas para diversos predadores, incluindo os seres humanos, aves e peixes. Contem altos índices de aminoácidos essenciais, minerais, oligoelementos (microminerais) e vitaminas o que o torna um revitalizante metabólico, um protetor dos ossos, dentes e cabelo. Além disso, evita a perda de massa óssea e a descalcificação.

Dentre os minerais e microminerais podemos citar: cálcio, magnésio, fósforo, selênio, zinco, sódio, iodo, flúor, manganês, cobre e potássio. Sua ingestão possui ação benéfica sobre o sistema cardiovascular. Ajuda a manter a pressão arterial estável reduzindo, assim, o risco de infarto, esclerose e trombose.

Devido a sua grande importância como fonte de proteínas o krill é amplamente pescado, principalmente pelas frotas do Japão e da Polônia. Os treze países membros do Tratado da Antártida criaram uma agência, sediada na Austrália, que tem poderes para limitar a captura deste incrível animal.

Arquivado em: Animais, Crustáceos