Vegetação de Roraima

Mestrado em Geografia (UFSC, 2015)
Graduação em Geografia (UFSC, 2012)

A vegetação em Roraima, ao sul, é a típica floresta tropical, densa e abundante. No centro: campos, lavrados ou savanas, marcada por igarapés e buritizais.

Destacam-se no estado os Campos Gerais do Rio Branco, conhecidos localmente como “lavrados”. Os lavrados são formados por gramíneas com a presença das palmeiras do buriti, que acompanham os igarapés, onde também existem caimbés, paricaranas e muricizeiros.

O lavrado de Roraima tem a denominação técnica de savana. Ocorrem também as estepes ou campinas (campos limpos). Esse lavrado cobre uma área de 44.000km², limitando-se ao sul pelo rio Mucajaí e pela serra Grande, rio Quitauaú e margem esquerda do rio Tacutu. Ao norte e a oeste, compreende da Ilha de Maracá aos vales dos rios Amajari e Parimé. A leste, limita-se com o rio Maú.

Na cobertura vegetal do estado há duas outras sub-regiões que merecem destaque: no sul, nos limites com os estados do Amazonas e Pará, a floresta amazônica. São aproximadamente 170.000km² de vegetação tipicamente amazônica, com castanheiras, seringueiras, balatais, sucupiras, itaúbas, paus d’arcco, frejós, cedros, pau-rainhas, copaíbas, etc. A outra região é a serrana, de vegetação típica, mas de solo considerado inapto para agricultura.

Os frutos da flora amazônica também marcam presença em Roraima, presentes tanto no lavrado como na mata. Algumas espécies não nativas também se adaptaram à região e são cultivadas com sucesso, já incorporadas aos hábitos alimentares da população. São raízes, bulbos, sementes e tubérculos comestíveis ou de aplicação medicinal. Abaixo estão elencadas algumas espécies nativas do estado:

  • Araçá: faz parte da família das mirtáceas. Nativa do lavrado, serve de alimento às aves e dá um excelente refresco.
  • Cacau: planta nativa que tem o fruto em forma de pepino e polpa doce; das sementes fabrica-se o chocolate.
  • Castanha-do-Brasil: árvore nativa de grande porte, endêmica na Amazônia. O fruto permanece no interior de ouriços que, quando amadurecidos, despencam das árvores.
  • Ingá: leguminosa nativa cujas vagens apresentam caroços de sabor adocicado.
  • Jenipapo-do-campo: faz-se um excelente licor dessa planta nativa da família das rubiáceas.
  • Camu-camu: fruta uma vez e meia mais rica em vitamina C do que a acerola. Sua polpa é um dos principais ingredientes da culinária local.
  • Mari-mari: leguminosa nativa cujo fruto, uma vagem comprida de 80 centímetros, é comestível e apreciado pelo gado.
  • Murici-do-campo: planta nativa da família das malpighiáceas. Seus frutos são comestíveis, de sabor agridoce e com propriedades laxativas.
  • Taperebá: anacardiáceas cujos frutos desenvolvem-se em cachos amarelos e têm polpa bastante aromática. Essa planta nativa é comida crua.

Em relação às palmeiras nativas, a maior concentração ocorre nas matas. No lavrado, destaca-se apenas o buriti, encontrado sempre às margens de igarapés e lagos. Segue abaixo a relação de algumas delas:

  • Açaí: palmeira que dá fruto o ano inteiro, principalmente em maio. O palmito é de boa qualidade.
  • Bacaba: da família das palmáceas, seus frutos são maiores que o açaí. Prepara-se com eles uma bebida muito nutritiva, parecida com chocolate. Seu palmito também é de qualidade.
  • Buriti: da família das palmáceas, seus frutos formam volumosos cachos. Da polpa do fruto amarelado faz-se um saboroso vinho e doces muito apreciados.
  • Inajá: dela se aproveita apenas um volumoso palmito, com sabor levemente adocicado.
  • Mucajá: fruto arredondado de cor verde-clara, com poupa amarelo-pálido, de que se extrai uma gordura branca comestível.
  • Pupunha: o fruto, quando cozido, tem gosto agradável e muito nutritivo. Há cinco variedades da espécie.
  • Tucumã: palmácea comestível e muito apreciada, cujos frutos amadurecem de fevereiro a junho.

Segundo dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), de agosto de 2019, Roraima foi o estado com o maior avanço do desmatamento de toda a Amazônia em um ano, com uma alta de 2.700%.

Em julho de 2019, foram 28km² desmatados, contra apenas um quilômetro quadrado registrado em julho de 2018. Esse aumento pode estar ligado ao avanço do garimpo ilegal. Entre agosto de 2018 e julho de 2019 foram 5.054km² de área desmatada, abrangendo uma área quase equivalente ao território do Distrito Federal, com 5.760km², segundo o IBGE.

Leia também:

Fontes:

FREITAS, Aimberê. Geografia e História de Roraima. Boa Vista: IAF, 2017, 212p.

EMPRESA DAS ARTES. Guia Turístico Roraima: Ecológico, Histórico e Cultural. Rio de Janeiro: Editare Editora, 2009.

MIGUEIS, Roberto. Geografia do Amazonas. Manaus: Editora Valer, 2011, 144p.

Roraima em Tempo. Avanço do desmatamento em Roraima chega a 2.700% em um ano, indica Imazon. Disponível em: <https://roraimaemtempo.com/ultimas-noticias/-avanco-do-desmatamento-em-roraima-chega-a-2.700p-em-um-ano-indica-imazon,317316.jhtml>. Acesso em: 18/12/2019.

Arquivado em: Roraima