Objeto direto

Especialista em Planejamento, Implementação e Gestão da Educação a Distância (UFF)
Graduação em Letras (Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira, FUNCESI)

Cunha e Cintra (2008, p. 154) definem o objeto direto como o complemento de um verbo transitivo direto, ou seja, o complemento que normalmente vem ligado ao verbo sem preposição e indica o ser para o qual se dirige a ação verbal. Em outras palavras, o objeto funciona como receptor do processo verbal. Com vistas a clarear esse conceito, propõe-se a leitura deste fragmento do romance O primo Basílio, escrito por Eça de Queirós:

Havia doze dias que Jorge tinha partido e, apesar do calor e da poeira, Luísa vestia-se para ir à casa de Leopoldina. Se Jorge soubesse não havia de gostar, não! Mas estava tão farta de estar só! Aborrecia-se tanto! De manhã ainda tinha os arranjos, a costura, a toilette, algum romance... Mas de tarde!

O fragmento acima descreve a vida tediosa a que se submetia a personagem Luísa, por meio da enumeração de seus afazeres diários, que se restringiam à parte da manhã. Observe que em De manhã ainda tinha os arranjos, a costura, a toilette, algum romance..., o verbo tinha não necessita do acompanhamento de uma preposição para a transmissão da ideia ao seu complemento. Nesse caso, os arranjos, a costura, a toilette, algum romance formam o chamado “objeto direto”, que vem representado por substantivos.

É importante destacar que o objeto direto por vir também representado por:

1. Numeral

  1. "De acordo com a lista, devemos comprar três pacotes de arroz." Atente-se para o fato de que o numeral sublinhado integra o complemento do verbo “comprar”.
  2. "O clube vendeu 40 mil ingressos para a grande final do campeonato." Note que o numeral grifado complementa o verbo “vendeu”, de modo direto.

2. Pronome substantivo

  1. "Eu a vi naquele dia na faculdade."O pronome em destaque refere-se a um substantivo feminino. Na informalidade, é comum a forma “Eu vi ela naquele dia na faculdade”. Tal forma não é recomendada em situações formais da linguagem, sobretudo, pela cacofonia (som desagradável ao ouvido) gerada pela junção de (vi + ela = viela).
  2. Irei levá-lo à festa de aniversário de seu coleguinha.O pronome masculino evidenciado refere-se ao garotinho que seria levado à festa.

3. Oração substantiva (objetiva direta)

  1. "Este delicado procedimento exige que sejamos cuidadosos."Observe que o complemento do verbo “exige”, acima destacado, é o objeto direto em forma de oração (frase constituída de um verbo) precedida por “que”. Vale elucidar que a referida oração é substantiva, uma vez que equivale ao substantivo “cuidado”:

    Este delicado procedimento exige cuidado.

  2. "Todos desejam que você volte."A oração sublinhada se equivale à forma substantiva “sua volta”:

    "Todos desejam sua volta."

4. Palavra ou expressão substantivada

a) Não sei o quê aquele rapaz pensa da vida.
b) Aguardava ansiosamente o desenrolar do assunto debatido.

Observe que o artigo definido “o” antecede o verbo “desenrolar”. A esse processo, dá-se o nome de substantivação, ou seja, a palavra ou expressão se torna um substantivo, quando precedida de artigo.

É pertinente ressaltar que o objeto direto pode ser composto de mais de um substantivo ou de mais de uma palavra que ao objeto se equivale:

a) Eles já ganharam duas ou três vezes.

Constate que o complemento do verbo “ganharam” compõe-se de dois numerais e um substantivo.

b) Naquele ano, plantaram mandioca, milho e feijão.

Nesse caso, o verbo “plantaram” apresenta como complemento três substantivos, que indicam os alimentos que foram plantados.

Para encerrar: O objeto direto é o complemento da ação verbal, que ocorre de forma direta, isto é, sem o intermédio de uma preposição.

Referências:
CUNHA, Celso; CINTRA, Luís F. Lindley. Complementos Verbais – Objeto Direto. In: ___ Nova gramática do português contemporâneo. 5.ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2008, p. 154-155.

QUEIRÓS, Eça de. O primo Basílio. São Paulo: Ática, 1993.

Arquivado em: Português