Biomas brasileiros

Bacharel em Ciências Biológicas (UNIFESP, 2015)

O Brasil é o quinto maior país do mundo, apresentando em sua grande extensão territorial uma gama de diferentes ecossistemas que formam seis biomas característicos. Biomas são comunidades biológicas em uma condição de equilíbrio, adaptadas às condições ambientais de uma determinada região, exibindo representantes típicos da fauna e da flora e sendo definidos principalmente pelas fisionomias vegetais predominantes. Os biomas brasileiros são:

Amazônia

Representando mais da metade de toda a floresta tropical do planeta, o bioma Amazônico é o maior dos 6 biomas brasileiros. Um hotspot de biodiversidade, a Amazônia contém 10% de todas as espécies do mundo, com mais de 30.000 espécies de plantas, aproximadamente 5.000 espécies de animais vertebrados e 100 mil espécies de invertebrados descritas. Esta incrível diversidade de vida é sustentada graças a um dos maiores valores de produção primária do planeta, favorecida pelas altas temperaturas, grande incidência solar durante todo o ano e abundância de água e umidade. Algumas das espécies típicas deste bioma são: a onça-pintada, o boto cor-de-rosa, a arara-azul, o bicho-preguiça e a vitória-régia gigante amazônica. A principais ameaças ao bioma Amazônico são o desmatamento e a expansão da fronteira agrícola.

Floresta Amazônica. Foto: Filipe Frazao / Shutterstock.com

Caatinga

Cobrindo 10% do território nacional, a caatinga ocupa uma vasta região semi-árida do nordeste brasileiro, sendo habitada por mais de 2.000 espécies vegetais e animais. A fauna e flora da caatinga é muito bem adaptada as duras condições ambientais deste bioma (stress hídrico, térmico e solo pobre em nutrientes), por isso a taxa de endemismo é bastante elevada. O juazeiro, o mandacaru, o tatu-bola e o jacu são algumas espécies comumente encontradas na caatinga, sendo que todas essa diversidade se encontra ameaçada devido à grande ocupação humana na região, aumentando as pressões para o uso da água e expandindo a agricultura e a pecuária.

Parque Nacional Serra da Capivara, com vegetação de Caatinga. Foto: Andre Dib / Shutterstock.com

Cerrado

O segundo maior bioma brasileiro, abrangendo cerca de 21% do território do país. A vegetação é caracterizada por árvores esparsas com os troncos retorcidos no cerrado strictu sensu, sendo coberta por gramíneas e arbustos altos no cerradão e no cerrado sujo. Com mais de 10.000 espécies de plantas, 1.500 espécies de animais e com uma expressiva porcentagem de endemismo, o cerrado é considerado uma das regiões de maior biodiversidade do mundo. O lobo-guará é uma espécie exclusiva do cerrado, além do tamanduá-bandeira, anta, cachorro-vinagre, ipê branco, veado-mateiro e tatu-canastra. O cerrado é um bioma adaptado a regeneração através do fogo. No entanto, o ciclo natural de queimadas é continuamente perturbado por ações antrópicas que visam desmatamento e expansão de grandes cultivos agrícolas como o da soja e da cana.

Paisagem de cerrado. Foto: Filipe Frazao / Shutterstock.com

Mata Atlântica

Floresta úmida que ocorria toda a extensão do litoral brasileiro, ocupa hoje apenas 15% de sua área original. É caracterizada pelas estações seca e chuvosa bem definidas, alta pluviosidade e umidade e grande grau de endemismo. Devido aos impactos causados pela colonização e ocupação urbana em regiões que outrora abrigam este bioma, mais da metade das espécies da Mata Atlântica estão na lista de considerável risco de extinção. Algumas destas espécies são o mico-leão-dourado, diversas bromélias e orquídeas, a rã-bugio e o jacaré-de-papo-amarelo;

Mata Atlântica, exemplo de Floresta Ombrófila Densa. Foto: Luiz Rocha / Shutterstock.com

Pampa

Vegetação rasteira de campos temperados que cobrem planícies, morros e serras na porção sul do Brasil. Caracterizada por uma alta pluviosidade e temperaturas médias relativamente baixas, os pampas ainda não foram amplamente estudados mas acredita-se que possuam uma grande diversidade de espécies. Podemos citar como representantes da flora a grama-tapete e a babosa-do-campo e da fauna o veado-campeiro e o picapauzinho-chorão.

Foto: Toniflap / Shutterstock.com

Pantanal

Uma região de vegetação de savana úmida adaptada a inundações, com uma grande diversidade de plantas (especialmente aquáticas) e servindo de habitat para uma enorme quantidade de espécies animais. O Pantanal é uma das regiões de maior produtividade primária do mundo, por isso ele atua como berçário de diversas espécies adaptadas as condições únicas deste bioma, como as inundações da época de chuvas que cobrem 80% de toda a região. Podemos encontrar no Pantanal: jacarés, capivaras, piranhas, pacus, sucuris e pintados. A pesca e a pecuária são as atividades de maior impacto sobre este bioma.

Pantanal brasileiro. Foto: Filipe Frazão / Shutterstock.com

Referências:

Marquis, R.J., 2002. The cerrados of Brazil: ecology and natural history of a neotropical savanna. Columbia University Press.

Ranta, P., Blom, T.O.M., Niemela, J., Joensuu, E. and Siitonen, M., 1998. The fragmented Atlantic rain forest of Brazil: size, shape and distribution of forest fragments. Biodiversity & Conservation, 7(3), pp.385-403.

Rudorff, B.F.T., Adami, M., Aguiar, D.A., Moreira, M.A., Mello, M.P., Fabiani, L., Amaral, D.F. and Pires, B.M., 2011. The soy moratorium in the Amazon biome monitored by remote sensing images. Remote Sensing, 3(1), pp.185-202.

Seidl, A.F. and Moraes, A.S., 2000. Global valuation of ecosystem services: application to the Pantanal da Nhecolandia, Brazil. Ecological economics, 33(1), pp.1-6.

Arquivado em: Biomas, Ecologia