Vitaminas do Complexo B

Graduada em Ciências Biológicas (Unifesp, 2013)

O grupo de vitaminas do complexo B é composto de oito vitaminas diferentes estruturalmente e funcionalmente entre si, mas têm em comum a característica de serem hidrossolúveis e de geralmente se encontram disponíveis nas mesmas fontes alimentares.

Cada vitamina do complexo tem uma determinada função no organismo, mas no geral agem como cofator de reações enzimáticas diversas. Atualmente neste grupo encontram-se as vitaminas B1, B2, B3, B5, B6, B7 (biotina), B9 (ácido fólico) e B12. Existiam outras vitaminas que compunham o grupo a B4, B8, B10 e B11, no entanto estas moléculas foram descobertas como não-essenciais ou que podem ser sintetizadas pelo corpo e então deixaram de ser consideradas vitaminas e não fazem mais parte do complexo vitamínico.

Sendo um grupo de vitaminas hidrossolúveis, o complexo B é facilmente excretada pela urina, por isso seu consumo deve ser mais frequente do que outras vitaminas lipossolúveis. Os vitâmeros que compões este grupo são a timina, riboflavina, niacina, ácido pantotênico, piridoxina, biotina, ácido fólico e a cobalamina. Essas substâncias são encontradas em alimentos não processados, por isso a legislação de alguns países requer que certos alimentos como farinha branca e açúcar sejam enriquecidas com as vitaminas do complexo B. Carnes de aves como de peru, atum, fígado, leite e ovos são importantes fontes de vitamina B. Outros alimentos como legumes, cereais integrais, trigo, nozes, batata, pimentas, milho, vegetais folhosos e frutas como banana e laranja.

A deficiência de vitamina B pode resultar em diferentes falhas no organismo, uma vez que cada vitamina em específico está relacionada com alguma função. A vitamina B1 por exemplo, cujo vitâmero é a Tiamina é envolvida no metabolismo de carboidratos e aminoácidos. Atua principalmente nos neurônios e por isso um dos sintomas de deficiência de vitamina B1 são encefalopatias, amnesia e até mesmo demência. Uma das doenças causadas pela hipovitaminose B1 é a beribéri, cujo sintomas incluem estes citados anteriormente além de fraquezas e dores nos membros, batimentos cardíacos irregulares, perda de peso e edemas. Outa vitamina cuja hipovitaminose acarreta em uma doença é a vitamina B3. A deficiência em B3 leva a doença chamada pelagra, ou deficiência em niacina (vitâmero da vitamina B3). Os sintomas incluem dermatites, fraquezas, insônia, comportamento agressivo, diarreia, confusão mental podendo levar até à demência.

Outras funções biológicas da vitamina B incluem: metabolismo de carboidratos síntese de ácidos nucleicos e formação da acetil-coenzima A (vitamina B1); metabolismo de carboidratos e ácidos graxos e participação na cadeia transportadora de elétrons (vitamina B2); metabolismo da glicose, lipídios e álcool (vitamina B3); oxidação de ácidos graxos e carboidratos, síntese de aminoácidos, corpos cetônicos, lipídios, hormônios, neurotransmissores e anticorpos (vitamina B5); metabolismo de aminoácidos e síntese de neurotransmissores (vitamina B6); metabolismo de proteínas, lipídios e carboidratos, atuando de coenzima para carboxilases envolvidas na síntese de ácido graxo e processos da gliconeogênese (vitamina B7); síntese de nucleotídeos e aminoácidos (vitamina B9); metabolismo de carboidratos, lipídeo e proteínas durante a produção de células da medula óssea e da mielina que cobrem os neurônios (vitamina B12).

Diferente das vitaminas lipossolúveis, as vitaminas do complexo B por serem hidrossolúveis são facilmente excretadas quando estão em excesso no organismo, por isso casos de hipervitaminose são raros. Os sintomas gerais, no entanto, incluem náusea, insônia e agitação e em alguns casos como para vitamina B12 incluem lesões na pele, diminuição de triglicerídeos no plasma, para a vitamina B3 e reações alérgicas agudas para a vitamina B1.

Referências:

Fattal-Valevski, A (2011). "Thiamin (vitamin B1)". Journal of Evidence-Based Complementary & Alternative Medicine. 16 (1): 12–20. doi:10.1177/1533210110392941.

"Riboflavin". Alternative Medicine Review. 13 (4): 334–340. 2008. PMID 19152481.

Whitney, N; Rolfes, S; Crowe, T; Cameron-Smith D; Walsh, A (2011). Understanding Nutrition. Melbourne: Cengage Learning.

National Academy of Sciences. Institute of Medicine. Food and Nutrition Board, ed. (1998). "Chapter 6 - Niacin". Dietary Reference Intakes for Tjiamine, Riboflavin, Niacin, Vitamin B6, Folate, Vitamin B12, Pantothenic Acid, Biotin and Choline. Washington, D.C.: National Academy Press.

University of Bristol (2002). "Pantothenic Acid". Disponível em <http://www.chm.bris.ac.uk/webprojects2002/schnepp/pantothenic.html>

Gropper, S; Smith, J (2009). Advanced nutrition and human metabolism. Belmont, CA: Cengage Learning.

University of Bristol (2012). "Biotin". Disponível em <http://www.chm.bris.ac.uk/webprojects2002/schnepp/biotin.html>

National Academy of Sciences. Institute of Medicine. Food and Nutrition Board, ed. (1998). "Chapter 8 - Folate". Dietary Reference Intakes for Thiamine, Riboflavin, Niacin, Vitamin B6, Folate, Vitamin B12, Pantothenic Acid, Biotin and Choline. Washington, D.C.: National Academy Press.

University of Bristol (2002). "Vitamin B12". Disponível <http://www.chm.bris.ac.uk/webprojects2002/schnepp/vitaminb12.html>

National Academy of Sciences. Institute of Medicine. Food and Nutrition Board., ed. (1998). Capítulos do 4 ao 9 Washington, D.C.: National Academy Press. p. 346. ISBN 0-309-06411-2.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Bioquímica, Nutrição