Doenças dos olhos

Mestre em Ciências Biológicas (Universidade de Aveiro-SP, 2013)
Graduada em Biologia (Universidade Santa Cecília-SP, 2003)

A visão é um importante meio de contato do ser humano com o ambiente em que vive, uma vez que o ajuda a ter uma percepção de suas formas e de suas cores. Quando existe um prejuízo no sistema visual, problemas podem surgir para o indivíduo, provocando uma baixa acuidade visual e/ou afecções oculares. Não somente o aparelho visual pode ser prejudicado, mas também a qualidade de vida da pessoa: a aprendizagem e o desenvolvimento intelectual – o que pode ocasionar um baixo desenvolvimento escolar em crianças –, e a socialização.

A identificação dos sintomas de uma perturbação visual é fundamental para o tratamento, para isso é importante a verificação dos sinais que o aparelho óptico manifesta e a consulta periódica ao médico oftalmologista. Algumas doenças dos olhos ou problemas de visão podem ser minimizados ou curados através de medicamento, cirurgia ou algum instrumento, como óculos ou lentes de contato. Óculos são um dispositivo constituído por uma armação que sustenta um par de lentes e que tem como função corrigir algum defeito de visão. A lente de contato é uma lente corretiva de erros simples de refração, que é posicionada em cima da córnea do olho, e que pode funcionar como uma opção ao uso de óculos. Além da função terapêutica, ela pode ser utilizada para uso estético, uma vez que existem algumas coloridas (altera a cor da íris).

As deformidades na visão humana que são encontradas de forma mais comum são ocasionadas pelo sistema de refração do olho, fenômeno caracterizado pelo feixe de luz ambiental que atravessa o globo ocular para formar a visão na retina. Quando ocorrem alterações nas estruturas do olho, os feixes de luz são desviados da retina ou podem chegar com pouca nitidez, provocando falhas no envio das informações visuais.

Alguns exemplos de alterações nas estruturas: quando o globo ocular apresenta má-formação (comprido demais ou curto demais), a alteração na curvatura da córnea, a alteração na forma e na flexibilidade do cristalino.

Os defeitos são:

  • Miopia – dificuldade para enxergar objetos a longas distâncias, que provoca o embaçamento da imagem que estão longe.
  • Astigmatismo – quando o olho não consegue focalizar, de maneira uniforme, a luminosidade, o que ocasiona uma distorção das imagens em qualquer distância.
  • Hipermetropia – a dificuldade na visualização de objetos próximos.
  • Presbiopia – conhecida popularmente como “vista cansada”, é a dificuldade de enxergar os objetos próximos, relacionada ao envelhecimento.

As opções de tratamento são: óculos ou lentes de contato. Com exceção da presbiopia, esses problemas podem ser corrigidos também com a cirurgia refrativa com Excimer Laser.

Outros problemas na visão podem ser originários de acidentes, más-formações congênitas e afecções. Alguns casos mais comuns serão citados a seguir.

Glaucoma é a perda de visão ocasionada pela danificação do nervo óptico. Esse dano acontece devido a elevação da pressão do olho, denominada de hipertensão ocular.

A degeneração macular também é a perda da visão – de forma gradual – que acontece pela lesão ou deterioração da porção central da retina (mácula).

Alguns microrganismos, como bactérias e vírus, podem provocar uma inflamação da conjuntiva, a membrana que recobre o branco do olho. O processo inflamatório é chamado de conjuntivite, provoca coceira, produção de secreções e vermelhidão; pode acontecer em um ou nos dois olhos e é contagiosa.

Estrabismo é quando os olhos estão desalinhados. Pode acontecer em um olho ou em ambos. Também é chamado comumente de “vesguice”.

De origem genética, o daltonismo é caracterizado pela dificuldade da pessoa em distinguir certas cores, como o vermelho e o verde. É mais comum em indivíduos do sexo masculino.

Neurite óptica é um processo inflamatório agudo que ocorre no nervo óptico e que pode provocar a perda de visão.

A cegueira é a perda parcial ou total da visão, determinada por diversos fatores, como traumas oculares ou doenças. Pode ser congênita.

Outras afecções que causam certo desconforto ou levam à redução da acuidade visual, mas que habitualmente não causam perda total da visão, quando devidamente tratadas, são:

Cuidados com a visão

Alguns cuidados podem auxiliar na prevenção de alguns problemas de visão, no ambiente de trabalho as condições adequadas devem ser propiciadas para que não decorra um agravamento nos problemas que já existem e que a prevenção de novas disfunções seja efetiva. Alguns exemplos:

  • O uso de equipamentos de proteção individual, como os óculos de proteção que servem para proteger os olhos da alta ou baixa luminosidade, dos impactos, das partículas volantes, dos respingos e dos raios UVA e UVB.
  • A regulação da iluminação do local, a luz de ser distribuída de maneira uniforme e difusa no ambiente, para que os olhos não sofram com obscurecimentos, reflexos incômodos e contrastes exagerados.
  • É necessário um descanso de 15 minutos quando os olhos são utilizados por um tempo de esforço prolongado. Um desvio do olhar para uma superfície opaca e mais distante ajuda os músculos e estruturas oculares a “descansar”.

No ambiente doméstico, os hábitos de higiene são importantes para que a saúde dos olhos seja mantida. Lavar as mãos com água e sabão antes de manusear os óculos ou as lentes de contato, e antes de fazer o uso de maquiagem, ajuda a prevenir infecções nos olhos. A iluminação adequada em atividades diárias de longa exposição, como a de leitura, assistir TV ou usar o computador, previnem que a vista fique embaçada e que apresentem vermelhidão e ardência – sintomas da “vista cansada”. Além disso, trocar de atividade por alguns minutos ajuda a descansar a visão.

Um outro fator importante é um ter uma alimentação saudável, com a ingestão de nutrientes como, por exemplo, o zinco, o ômega 3 e as vitaminas C e E. Evitar a diabetes tipo 2 pode ajudar a prevenir a cegueira, a catarata e o glaucoma.

O uso de equipamentos de proteção nas práticas esportivas também ajuda uma pessoa a proteger os olhos dos impactos, da iluminação artificial excessiva ou irradiação solar, das partículas suspensas no ambiente, dos produtos químicos (cloro presente em piscinas e sal do mar) e de microrganismos presentes na água.

Para além desses cuidados do dia a dia, é recomendada a visita ao oftalmologista desde o nascimento – quando é possível detectar se existe um defeito na visão –, na fase de início da vida escolar e a manutenção de consultas constantes na idade adulta. Os exames de rotina auxiliam a detectar as perturbações na visão, em o médico verifica a anatomia do globo ocular e a sua capacidade visual, e coleta informações sobre o histórico familiar do paciente. Os problemas de visão apresentam maiores chances de sucesso no tratamento se forem detectados desde o princípio.

Referências:

IOC (Instituto de Oftalmologia de Curitiba). Guia definitivo para manter a visão saudável no dia a dia. Disponível em: <https://ioc.med.br/e-book/GUIADEFINITIVO.pdf>. Acesso em: 06/05/2018.

GAETE, M. I. L. et al. Associação entre a necessidade de prescrição de correção óptica e outras doenças oculares em crianças na idade escolar. Arq Bras Oftalmol, v. 70, n. 6, p. 949-52, 2007.

LINHARES, S.; GEWANDSZNAJDER, F. Biologia hoje. Editora Ática, São Paulo, 2014.

RAMOS, M. F. Problemas de visão. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura) – Centro Universitário de Brasília, Brasília, 2001.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Doenças, Visão