Sistema sensorial

Mestre em Ciências Biológicas (Universidade de Aveiro-SP, 2013)
Graduada em Biologia (Universidade Santa Cecília-SP, 2003)

Devido a sua relação com o ambiente, todo ser humano experimenta diariamente inúmeras sensações e estímulos em seu corpo. Essas informações chegam ao cérebro através de ferramentas – os receptores sensoriais – que o organismo possui para explorar e interpretar o mundo ao seu redor.

Existem animais com olfatos mais poderosos que o do homem, como os cães; ou que possuem uma visão mais aguçada, como as águias. Mas nenhum animal desenvolveu uma combinação de sentidos tão abrangente como o ser humano. Foi justamente essa versatilidade que auxiliou a espécie humana a chegar desde os primórdios até aos tempos modernos. A capacidade de sobrevivência humana depende diretamente da integração dos diversos sentidos presentes no organismo com o ambiente.

As informações referentes ao meio interno e externo do corpo humano são constantemente enviadas ao Sistema Nervoso Central por meio do Sistema Nervoso Sensorial, que é composto por uma diversidade de tipos de receptores especializados (fotorreceptores, mecanorreceptores, quimiorreceptores, termorreceptores, entre outros) em perceber os diferentes tipos de estímulos. Essas informações serão recebidas e interpretadas para serem utilizadas nas respostas que permitem a interação com o ambiente.

Descritos por Aristóteles, os cinco sentidos tradicionais são a visão, a audição, o paladar, o olfato e o tato. No entanto, recentemente, os pesquisadores de diversas áreas argumentam que a experiência humana com o ambiente é mais rica do que se imaginava e que as pessoas podem apresentar vários outros sentidos.

Ilustração: passengerz / Shutterstock.com

Visão

O sistema visual humano é o mecanismo do organismo que funciona de maneira extremamente sofisticada. A visão se configura a partir da percepção que os olhos tem da luz, que é parte da radiação eletromagnética da qual está ao seu redor. Permite perceber a forma, a distância, o tamanho e a cor de objetos.

A luminosidade que entra pelo cristalino é projetada sobre a retina, que é composta de células nervosas sensíveis que levam a imagem através dos nervos ópticos para que o encéfalo as interprete. É por esse motivo que, apesar de o olho captar a luz, quem enxerga as imagens do ambiente é o cérebro.

Leia também:

Audição

O som é uma energia mecânica vibratória que reverbera pelo ar, quanto mais agudo, maior será o número de vibrações. Essas ondas sonoras se propagam até chegar aos ouvidos do organismo, através da captação pela orelha que – percorrem o canal auditivo, o que faz provocar vibrações nos tímpanos – as envia ao córtex cerebral, o que constitui o sentido da audição. É possível ouvir os diferentes sons e barulhos devido às diferenças na frequência de cada onda sonora.

Leia também:

Paladar

Historicamente, o ser humano sempre se dispôs a provar novos sabores, é um ser onívoro (se alimenta de qualquer fonte) que experimenta de tudo, mas confia no sentido do paladar para decidir o que deve ou não comer.

Os bebês, por exemplo, tendem a rejeitar alguns tipo de alimentos, principalmente os amargos. É o instinto de sobrevivência tentando proteger o organismo: na natureza as plantas venenosas costumam ser amargas. Sabores azedos também não costumam fazer sucesso com as crianças (o gosto azedo na natureza pode indicar que o alimento não está maduro ou que está estragado). Entretanto, o ser humano tende a ter uma predileção pelos sabores que oferecem os nutrientes do qual necessitam, no caso, açúcar e comidas salgadas. Apreciam o sal porque precisam dele para repor a perda desse composto pelo suor. E acima de tudo, saboreiam alimentos doces porque o açúcar significa energia.

Assim, o organismo precisa reconhecer estes sabores diferentes quase que instantaneamente, sendo equipado com a estrutura da língua, que leva o ser humano, além de apreciar uma gama de alimentos, ao topo do que é seguro alimentar-se.

Olfato

Apesar de ter um sistema olfativo menos desenvolvido quando comparado ao da maioria dos animais, o ser humano é particularmente sensível a odores desagradáveis. O olfato capta energia química numa troca de partículas que chegam pelo ar através dos receptores do bulbo olfatório da cavidade nasal.

Tato

Juntamente com a visão, o tato é um dos sentidos humanos mais desenvolvidos. O tato é utilizado para explorar o mundo, interagir no corpo-a-corpo com os objetos. Não há um órgão específico para esse sentido, pois todas as regiões do corpo humano apresentam os receptores (mecanorreceptores e termorreceptores). As sensações são recebidas através da pele, membranas e músculos que estão incrustados na superfície do organismo, o que configura milhares de receptores de tato. E são eles que abastecem a sensação de toque direto ao cérebro e diz se algo está molhado ou seco, áspero ou macio.

Os receptores de tato monitoram também outras informações básicas, como o tipo de pressão, a temperatura ou as vibrações na pele. Essas informações são enviadas pelas terminações nervosas até o cérebro, onde a combinação de sinais oriundos da pele que permite esse órgão perceber não somente as sensações, mas também a sua intensidade.

Para além dos cinco sentidos

  • Propriocepção – é a consciência que as pessoas possuem de onde cada uma das partes do seu corpo está localizada no espaço. Essa percepção é possível graças a receptores em nossos músculos conhecidos como fusos, que informam o cérebro sobre o comprimento atual e o alongamento dos músculos.
  • Equilibriocepção – é o senso de equilíbrio do organismo. É o que mantem o corpo em pé e ajuda a andar sem machucar-se. Isso acontece devido ao sistema vestibular nutrido de líquido no ouvido interno, que ajuda a manter o equilíbrio. Este sistema também proporciona a experiência de aceleração através do espaço, e liga-se aos olhos, tornando possível "cancelar" o próprio movimento.
  • Cinestesia – é a sensação ou percepção de movimento. É a orientação dos órgãos motores da percepção em movimento, a experiência que a postura corporal vivencia.
  • Termocepção – é a percepção da presença ou da ausência do calor no ambiente. É o ato de sentir mudanças de temperatura.
  • Nocicepção – é a percepção da dor por algumas estruturas do corpo, como a pele e as articulações.
  • Cronocepção – é a capacidade de sentir a passagem do tempo. Algumas estruturas do cérebro, como o hipotálamo e a glândula pineal, são responsáveis por agir em conjunto para propiciar essa sensação. Por exemplo: o período de alteração entre noite e dia, denominado de ciclo circadiano, que influencia a digestão e o sono.

Referências

HUMPHREYS, J. Aristotle was wrong and so are we: there are far more than five senses. 2017. Disponível em: <https://www.irishtimes.com/culture/aristotle-got-it-wrong-we-have-a-lot-more-than-five-senses-1.3079639>.Acesso: 30/04/2018.

BBC TV. Human Senses. Direção: Daniel Barry, Nigel Paterson e Jeremy Turner. Produção: Jenny Walker. Narração: Nigel Marven. Londres. 2003.

CASTRO, T. G.; GOMES, W. B. "Como sei que eu sou eu?": cinestesia e espacialidade nas Conferências Husserlianas de 1907 e em pesquisas neurocognitivas. Rev. abordagem gestalt., Goiânia, v. 17, n. 2, p. 123-130, dez.  2011.

BRAIDA, F.; NOJIMA, V. L. Design para os sentidos e o insólito mundo da sinestesia. 2008. Disponível em: <http://www.dialogarts.uerj.br/admin/arquivos_tfc_literatura/VII_painel_II_enc_nac_simposio_5.pdf#page=221>. Acesso: 26/04/2018.

GRAY, A. Humans have more than 5 senses. 2017. Disponível em: <https://www.weforum.org/agenda/2017/01/humans-have-more-than-5-senses/>. Acesso: 26/04/2018.

KOPPMANN, M. Los sentidos, el cerebro y el sabor de la comida. 2015. Disponível em: <http://cienciahoy.org.ar/2015/02/los-sentidos-el-cerebro-y-el-sabor-de-la-comida/>. Acesso: 24/04/2018.

MELLO-CARPES, P. B.; LARA, M. V. S. Fisiologia do sistema nervoso: mecanismos de codificação da informação. In: MELLO-CARPES, P. B. A fisiologia presente no nosso dia a dia: guia prático do profissional da saúde. São Paulo: Livrobits, 2012. p. 117-130.

OLIVEIRA, A. Um olhar para além dos sentidos. 2010. Disponível em: <http://www.cienciahoje.org.br/noticia/v/ler/id/2787/n/um_olhar_para_alem_dos_sentidos/Post_page/8/>. Acesso: 24/04/2018.

Arquivado em: Anatomia, Sentidos